Opinião

A (outra) revolução francesa

Na segunda volta, a capacidade de crescimento do Rassemblement National é limitada, mas tudo se torna imprevisível, perante a alternativa possível: a Nova Frente Popular é um saco de gatos que, mesmo que forme governo, pode tornar França ingovernável

Opinião

O Costa no seu castelo

Esta [possível] vitória de António Costa surge, ironicamente, depois de um parágrafo, num comunicado da PGR, quase ter acabado com a sua carreira política. Afinal, o Ministério Público fez-lhe o favor de o projetar para um lugar que aprecia muito mais do que o de primeiro-ministro de Portugal...

Opinião
Exclusivo

Sangue, futebol e lágrimas

O facto de as gémeas terem sido rapidamente atendidas, e tratadas, implicou, diretamente, que outras crianças tenham deixado de ser atendidas e tratadas? Dito de outro modo: alguma outra criança ficou sem o medicamento, pelo facto de este ter sido receitado a estas? Se sim, quem são?

Opinião

O MP como “influencer”

A democracia precisa de um Ministério Público forte, profissional e independente. Não precisa de uma estrutura judiciária... influencer. E, muito menos, em autogestão

Opinião

A traição e a falsa fé

a menos que Marcelo Rebelo de Sousa, quando falou em reparações às antigas colónias, tenha pretendido entregar as Berlengas à Guiné-Bissau, não existe, nas suas declarações, intenções ou postura, qualquer vestígio ou indício de crime de traição à Pátria

Opinião

Abril ora chora, ora ri*

só a falta de memória e a iliteracia política e histórica (que desmentem a ideia de que temos a geração mais bem preparada de sempre, como veremos...) permitiriam concluir que, ao fim de 50 anos, teríamos mais razões para chorar do que para rir

Opinião
Exclusivo

Ajustar contas, antes de Belém

Se, relativamente a Cavaco, Passos Coelho se limita a concluir que, por vezes, o ex-Presidente mais desajudou do que ajudou o seu governo, ou que Montenegro se tem afastado da herança desse mesmo governo, a forma como tratou Paulo Portas é verdadeiramente letal

Opinião
Exclusivo

O combate do Governo

O Governo nunca será capaz de fazer reformas estruturais, a não ser que consiga alguns acordos de regime com o PS (por exemplo, na área da Justiça). Um governo de combate é então o quê?

Opinião

Chegar aos emigrantes

O discurso Big Brother e a linguagem TikTok, fáceis, simples, sem nada lá dentro, mas plasticamente consumíveis, não obrigam a pensar

Opinião

Isto já não é só protesto

A direita portuguesa vai ter de lidar com o Chega, parceiro incontornável de futuras soluções. Mas, se o PS pensa que o problema é da direita, está bem enganado. Se o populismo crescer a este ritmo, sociais-democratas e socialistas serão devorados pela mesma vertigem: o que move os eleitores votantes do Chega, que até se apresentou ao eleitorado com demagógicas promessas de esquerda, não é a ideologia

Editorial

Entre o "cool" e a matrafona

Se 2024 terminasse hoje, uma das palavras do ano seria o pronome pessoal “eles”. Os políticos exigem-nos ruturas que não desejamos fazer. E obrigam-nos a escolher entre o branco e o preto. O centro desapareceu. Por isso é que há tantos indecisos. Na dúvida, vota-se no mais cool

Opinião

Passos, o totem e o tabu

Esta “ajuda” de Passos surge no início da campanha, e não por acaso: o assunto fica arrumado e ele fica despachado. As animadoras sondagens dispensavam-no, mas a política não

Opinião

Fazer o que nunca foi feito

Nunca, na história da democracia portuguesa, os socialistas viabilizaram um governo do PSD

Opinião

A OPA hostil ao PSD

Afinal, Nuno Melo cometeu uma gaffe ou disse o óbvio, depois de declarações anteriores de Montenegro?

Opinião
Exclusivo

AD lança os seus dados

Hoje, o líder, em vez de negociar, tende a recompensar os que apoiaram a sua ascensão e a punir os que se lhe opõem. O resultado disso é que, uma vez removido, o seu substituto pode nem sequer ter sido eleito deputado, e não tem, portanto, oportunidade de debater, no lugar próprio, com o primeiro-ministro

Opinião

Ventura torce por Pedro Nuno?

Em todos estes cenários, é preferível, para o Chega, uma vitória de Pedro Nuno Santos, desde que haja uma maioria de direita. E em nenhum caso uma vitória de Montenegro lhe será útil

Opinião
Exclusivo

Marcelo e o “Gémeasgate”

Marcelo não deu, de facto, uma ordem, não fez um pedido, nem deixou uma sugestão: não teve intervenção direta. Mas o PR não ignora que, ao mostrar o seu interesse num determinado caso concreto e particular, esse caso será tratado de forma distinta de qualquer outro

Opinião
Exclusivo

A diabetes da democracia

Com total previsibilidade, os candidatos que disputam a liderança socialista, ainda antes da campanha eleitoral nacional, já se atropelam no leilão de medidas semelhantes, mesmo tendo em conta que ambos pertencem (ou pertenceram) ao núcleo duro do poder que governou o País, nos últimos oito anos

Opinião

Hoje há pipis e pés-de-meia

Este Orçamento poderia perfeitamente ter sido apresentado pelo PSD, pelo menos nos objetivos (e não, necessariamente, na forma como se chega a eles). Por isso é que, à falta de melhor para dizer, Luís Montenegro apelidou o documento de “muito bem vestidinho, muito pipi”

Opinião
Exclusivo

O nó górdio da canção de Sérgio Godinho

Os 50 anos de democracia surgem no momento em que um dos pilares do Estado Social – habitação condigna para todos – vai ruindo de forma inexorável, com pessoas a viver em casa dos pais, em parques de campismo ou em viaturas

Opinião
Exclusivo

Marques Mendes e a receita de Marcelo

Marques Mendes, alertado pelas campainhas da iminente candidatura de Santana Lopes – e, também, por eventuais aspirações de outros nomes bem posicionados à direita, como Paulo Portas, terá decidido antecipar os próprios timings para dizer a Santana: “Eu é que sou o presidente da junta” – quiçá, amanhã, da República