Na primeira pessoa: “Estive 14 dias em coma e disseram à minha mãe para se despedir de mim, mas a vida tinha outros planos”

Na primeira pessoa: “Estive 14 dias em coma e disseram à minha mãe para se despedir de mim, mas a vida tinha outros planos”

Vivo em Portugal há nove anos. Tinha 20 quando deixei São Paulo, no Brasil, e fui viver para o concelho de Mafra, na casa da minha mãe. Era responsável técnico numa empresa de transformação de plásticos, na Venda do Pinheiro, e, ao mesmo tempo, continuava os meus estudos no Instituto Superior de Engenharia de Lisboa (ISEL).

No dia em que fiquei efetivo na empresa, a 12 de setembro de 2019, saí do trabalho e fui para a universidade, de mota, pela estrada nacional. Podia ir pela autoestrada, mas preferia passar pelas localidades e ver as pessoas e as casas, com uma sensação de liberdade e de proximidade em movimento.

Um automóvel que vinha no sentido contrário entrou na minha faixa, passou o traço contínuo e foi contra mim. Não me lembro de mais nada.

Quando me socorreram, eu já estava em coma. Assim que cheguei ao Hospital de Santa Maria, em Lisboa, disseram à minha mãe para se despedir de mim, mas a vida tinha outros planos.

Tive um traumatismo cranioencefálico grave do lado direito e uma fratura exposta no rádio esquerdo. O capacete terá saltado com o impacto e a lesão cerebral, no hemisfério direito, causou danos na mobilidade e no equilíbrio, impedindo-me de estar em pé ou sentado. O funcionamento cognitivo não foi muito afetado, mas fiquei com uma hemiparesia (paralisia parcial) no lado esquerdo do corpo.

Saí do coma 14 dias depois e, contrariamente ao esperado, não foi preciso fazer uma traqueostomia para começar a respirar sem máquinas. Contudo, esperava-me um longo caminho até poder voltar a andar. Na altura, não tive qualquer noção do que estava a acontecer, e ninguém me falava sobre isso. Desse período tenho apenas alguns flashes de memória.

Estive internado três meses e duas semanas no Hospital de Santa Maria e passei 21 dias no Hospital do Mar. Lembro-me de ficar emocionado quando consegui dar o primeiro passo, com a terapeuta e três auxiliares a segurarem-me. Tive visitas de amigos e colegas de trabalho, mas essa fase acabou.

Veio o isolamento e, a seguir, a pandemia. Nos quatro meses de internamento, nas residências da Santa Casa da Misericórdia, em Alcoitão, dava por mim a chorar e a gritar o dia todo, pelas dores e, sobretudo, pela revolta: “Porquê eu?” Antes do acidente, estava à procura de casa para viver sozinho ou com a namorada. De repente, perdi a independência e a autonomia e estava ao colo da minha mãe. Ficar totalmente dependente dela para assegurar necessidades fisiológicas ou mudar fraldas foi simplesmente horrível.

No dia em que voltei para casa, e já a recuperar o funcionamento cognitivo, a minha namorada, que me tinha acompanhado até então, terminou o relacionamento sem dar explicações.

Angustiado, eu só perguntava quando é que voltava a andar. A ansiedade dificultava a reabilitação. Um dia, a médica fisiatra disse-me para não fazer comparações com os outros: “Nathan, cada caso é um caso.” Aquela frase ficou para a vida.

No Campus Neurológico Senior, em Torres Vedras, a psicoterapia ajudou-me imenso a lidar com a culpa, os estados depressivos e o stresse. No Centro de Medicina de Reabilitação de Alcoitão, comecei a ver progressos com a fisioterapia, hidroterapia e terapia ocupacional.

“Já estive no local do acidente”

Tive a minha primeira cadeira de rodas manual, leve e dobrável, e reduziram-me a medicação; fiquei apenas com um fármaco para as dores causadas pelo encurtamento do nervo da perna e do braço, devido à lesão cerebral e ao tempo em que não me movimentei. Já estive no local do acidente e não senti nada.

Senti necessidade de estar mais ativo e queria voltar a conviver. Através da minha mãe, conheci a Associação Novamente, que apoia pessoas com traumatismos cranioencefálicos e outros danos cerebrais adquiridos, e envolvi-me em projetos virtuais de partilha de histórias.

Há dois anos, troquei a cadeira manual por uma elétrica e conquistei alguma liberdade. Em outubro do ano passado, comecei a andar. De acordo com os relatórios médicos e psicológicos, ainda há margem para evoluir na reabilitação. Sabê-lo motiva-me bastante, e vou manter o treino cognitivo online e a psicoterapia. 

Continuo de baixa, e os tratamentos e o salário que recebia têm sido pagos pela seguradora. Quando regressar ao local de trabalho, com um grau de incapacidade, não vou poder estar muito tempo de pé nem conseguir entrar numa máquina e usar o meu braço esquerdo acima da minha cabeça, como fazia. Mas sei fazer outras coisas e vou ter outra função, com um horário reduzido.

Dava por mim a chorar e a gritar o dia todo, pelas dores e, sobretudo, pela revolta. Antes do acidente, estava à procura de casa para viver sozinho ou com a namorada. De repente, perdi a independência e a autonomia e estava ao colo da minha mãe. Ficar totalmente dependente dela para assegurar necessidades fisiológicas ou mudar fraldas foi simplesmente horrível

Voltei a aprender tudo de novo com apenas uma mão. Só uso a cadeira de rodas para longas distâncias, que são aquelas cujos obstáculos ainda não conheço. Exercito-me a subir e a descer os sete degraus no exterior de casa e faço surf adaptado, com a Associação Salvador. É magnífico ir deitado na prancha e sentir a onda a quebrar atrás de nós! O ambiente é muito bom e ganhei uma nova família.

Com o espaçamento das sessões para breve, vou poder fazer passeios desportivos e outras atividades através do projeto Viver Novamente. Quando contei a minha história num encontro promovido pela Associação e referi que “cada caso é um caso”, expressei o desejo de tatuar a frase no braço e, na semana passada, concretizei esse desejo! 

A lesão pode ficar para a vida, mas acredito que vou ser muito mais do que sou hoje. Cada dia representa pequenas conquistas. Aos poucos, elas vão sendo muitas e podem trazer uma nova vitória.

Depoimento recolhido por Clara Soares

Palavras-chave:

Mais na Visão

Mais Notícias

Vítor Matos:

Vítor Matos: "Com a segunda Estrela Michelin vou ter de repensar a minha vida”

Caras Decoração de fevereiro: tranquilidade e aconchego em primeiro lugar

Caras Decoração de fevereiro: tranquilidade e aconchego em primeiro lugar

Meghan e Harry divertem-se na neve com os filhos

Meghan e Harry divertem-se na neve com os filhos

Miranda Sarmento: “Não é difícil pôr a economia portuguesa a crescer acima de 3%”

Miranda Sarmento: “Não é difícil pôr a economia portuguesa a crescer acima de 3%”

O ‘street style’ que nos traz ideias para novos 'looks'

O ‘street style’ que nos traz ideias para novos 'looks'

Vinhos de Porto Santo: Brancos atlânticos únicos que já dão bons frutos

Vinhos de Porto Santo: Brancos atlânticos únicos que já dão bons frutos

Citroën ë-C3: O elétrico que custa 23.300 euros chega em junho

Citroën ë-C3: O elétrico que custa 23.300 euros chega em junho

Esplanada, comida asiática e preços democráticos no Street Chow

Esplanada, comida asiática e preços democráticos no Street Chow

Como organizar a votação

Como organizar a votação

O algoritmo do amor

O algoritmo do amor

Dos idos de Março 62 às eleições de Março 24

Dos idos de Março 62 às eleições de Março 24

Poesia e estranheza

Poesia e estranheza

Bruxelas autoriza ajudas estatais de 350 ME de Portugal para equipamentos 'verdes'

Bruxelas autoriza ajudas estatais de 350 ME de Portugal para equipamentos 'verdes'

BE diz que Montenegro tem precisado de esconder candidatos da AD com ideias do Chega

BE diz que Montenegro tem precisado de esconder candidatos da AD com ideias do Chega

Quase 1.700 pessoas fizeram cirurgia da obesidade no SNS em 2023 com menos tempo de espera

Quase 1.700 pessoas fizeram cirurgia da obesidade no SNS em 2023 com menos tempo de espera

Do Ribatejo ao Alentejo, há um novo festival gastronómico que não pode perder

Do Ribatejo ao Alentejo, há um novo festival gastronómico que não pode perder

Saccharum Resort, na terra do ouro branco

Saccharum Resort, na terra do ouro branco

A transformação no segmento do Renting & Frotas

A transformação no segmento do Renting & Frotas

Quando a cantiga foi uma arma

Quando a cantiga foi uma arma

A elegância de Rania num vestido étnico

A elegância de Rania num vestido étnico

Serviço de abastecimento de água perde por ano 184 milhões de metros cúbicos

Serviço de abastecimento de água perde por ano 184 milhões de metros cúbicos

Brinquedos didáticos, livres e que estimulem a criatividade. Onde? Na Color Square

Brinquedos didáticos, livres e que estimulem a criatividade. Onde? Na Color Square

O luxo da viagem de Georgina com os filhos

O luxo da viagem de Georgina com os filhos

Conforto e muita luz, num apartamento em São Paulo, Brasil

Conforto e muita luz, num apartamento em São Paulo, Brasil

Portugal visto pelos estrangeiros

Portugal visto pelos estrangeiros

Juan Vicente Piqueras, Caçador de instantes

Juan Vicente Piqueras, Caçador de instantes

O avanço da sustentabilidade ambiental nas empresas

O avanço da sustentabilidade ambiental nas empresas

Beleza, tradição e ousadia na passarela da Balmain em Paris

Beleza, tradição e ousadia na passarela da Balmain em Paris

Os lugares desta História, com Isabel Stilwell: Elvas, capital do Império onde o sol nunca se põe

Os lugares desta História, com Isabel Stilwell: Elvas, capital do Império onde o sol nunca se põe

Manuel Luís Goucha volta à RTP para reviver dupla com Sónia Araújo

Manuel Luís Goucha volta à RTP para reviver dupla com Sónia Araújo

Em “Flor Sem Tempo”: Luís Maria tenta estrangular Catarina

Em “Flor Sem Tempo”: Luís Maria tenta estrangular Catarina

Elegância intemporal: O charme do casaco de 'tweed' Chanel

Elegância intemporal: O charme do casaco de 'tweed' Chanel

Alessandra Ambrósio usa camisola de futebol na Semana da Moda de Paris

Alessandra Ambrósio usa camisola de futebol na Semana da Moda de Paris

Cristina Ferreira partilha mais fotos com o namorado e fãs reagem: “O amor faz-lhe bem”

Cristina Ferreira partilha mais fotos com o namorado e fãs reagem: “O amor faz-lhe bem”

Adesão à greve no Hospital de Cascais ronda os 80%

Adesão à greve no Hospital de Cascais ronda os 80%

Um debate muito concorrido

Um debate muito concorrido

VOLT Live: como aumentar a competitividade e concorrência no mercado do carregamento de veículos elétricos

VOLT Live: como aumentar a competitividade e concorrência no mercado do carregamento de veículos elétricos

Desporto: 20 artigos para suar com estilo

Desporto: 20 artigos para suar com estilo

Na Escola Básica do Ave canta-se 'Eu gosto muito de ler'

Na Escola Básica do Ave canta-se 'Eu gosto muito de ler'

Celebridades rendem-se às transparências no desfile de Saint Laurent

Celebridades rendem-se às transparências no desfile de Saint Laurent

Passo a passo para pedir baixa na aplicação do SNS24

Passo a passo para pedir baixa na aplicação do SNS24

Apple descarta projeto de desenvolvimento de carro elétrico

Apple descarta projeto de desenvolvimento de carro elétrico

Investigadores descobrem nova ligação entre água e a formação de planetas

Investigadores descobrem nova ligação entre água e a formação de planetas

Celebridades assistem ao regresso da Dior aos anos 60

Celebridades assistem ao regresso da Dior aos anos 60

Exame Informática nº 344, março

Exame Informática nº 344, março

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites