A grande manifestação de polícias pedida por Ventura não aconteceu

A grande manifestação de polícias pedida por Ventura não aconteceu

Faltavam dez minutos para começar o debate das propostas de atribuição de subsídios às forças de segurança e a escadaria em frente à Assembleia da República estava vazia. Nem um sinal da grande concentração a que se assistiu em 2012, quando os policiais se juntaram à porta do Parlamento. No acesso lateral do edifício, por onde entra o público que assiste ao plenário, uma fila aonde estariam menos de 300 pessoas formava-se para entrar.

No hemiciclo, os deputados do Chega impacientavam-se no arranque do debate. Pedro Frazão chegou mesmo a subir às galerias para depois ir fazer declarações aos jornalistas na porta lateral do Parlamento, acompanhado por mais dois deputados da sua bancada. Aos microfones, Frazão criticou a forma como se estava, no seu entender, a dificultar a entrada do público nas galerias.

“Vão lá buscar quem está lá em baixo”, ouvia-se na bancada do Chega

Na Sala das Sessões, André Ventura fazia uma intervenção inicial, ainda com as galerias bastante vazias. O líder do Chega procurou fazer um paralelismo entre a forma como são tratados imigrantes e as condições de trabalho das polícias.

“Se um polícia morre, é mais uma notícia. Se um imigrante morre, é um escândalo nacional”, começou por dizer, antes de afirmar que as vidas dos criminosos são mais valorizadas do que as dos polícias.  “Se um bandido morre, merece quase o hino nacional”, declarou, dizendo querer acabar “com este país ao contrário”.

Depois de acusar o anterior Governo socialista de ter cometido “uma injustiça histórica” contra as forças de segurança ao atribuir um subsídio de risco à PJ que não deu a mais nenhuma polícia, Ventura descreveu as condições em que muitos agentes são obrigados a viver. “Camaratas que eu visitei pessoalmente envergonhariam o país mais pobre da Europa”, notou.

“Os polícias não querem mais um cêntimo, querem dignidade”, disse André Ventura, a concluir a intervenção, num momento em que crescia o nervosismo na sua bancada que via as galerias pouco compostas.

“Vão lá buscar quem está lá em baixo”, começou a ouvir-se na bancada do Chega, num crescendo de apartes que levou o Presidente da Assembleia da República, José Pedro Aguiar-Branco, a explicar que os procedimentos de verificação de segurança na entrada do Parlamento são sempre iguais para todos. “Não há nenhuma situação especial em relação à entrada das visitas em relação a um dia normal”, garantiu.

Hugo Soares exaltou-se na crítica ao Chega

Hugo Soares, líder da bancada do PSD, fez mesmo uma exaltada interpelação à mesa precisamente para explicar que esses procedimentos levam muitas vezes “escolas com crianças pequeninas” a ficar numa fila à espera de entrar. “É assim que se faz no Parlamento”.

Pedro Delgado Alves, do PS, também falou para defender que os procedimentos de verificação de segurança feitos à entrada do Parlamento são iguais para todos.

As galerias do Parlamento para o público, que levam cerca entre 400 e 600 pessoas, foram-se compondo ao longo de um debate com intervenções de defesa das forças de segurança por parte de todos os partidos.

“Há uma hora e meia que estão pessoas lá fora. É uma vergonha”, atirava um deputado do Chega, olhando para as galerias, ainda muito longe de estarem cheias, às 16h30.

PSD acusa Ventura de usar polícias para dar a volta a desaire eleitoral

A meio do debate, António Rodrigues, já classificava a convocatória de André Ventura – que chamou os polícias a virem manifestar-se para a porta do Parlamento – como “um fracasso” do Chega, concluindo que o número político que Ventura tentou criar não teve eco nos agentes de segurança nem o respaldo dos sindicatos que os representam.

“Este debate só foi marcado para depois das europeias. Sabem porquê? Porque o desastre foi tão grande, que era preciso animar as hostes”, atirou António Rodrigues.

António Rodrigues foi vocal no ataque ao Chega, quando os outros partidos preferiram reclamar um histórico de defesa dos polícias e o PS, pela voz de Isabel Moreira, preferiu concentrar as críticas na forma como o primeiro-ministro, Luís Montenegro, anunciou que o Governo não daria “nem mais um cêntimo” às forças de segurança além dos 300 euros mensais que estão a ser oferecidos nas negociações com os sindicatos.

Partidos reclamam-se defensores dos polícias e trocam ataques

António Filipe, do PCP (um dos partidos, além do Chega e do PAN que trouxeram propostas ao debate), quis lembrar o histórico dos comunistas na defesa das condições remuneratórias e laborais das polícias, cujo trabalho enalteceu. E vincou que a proposta comunista prevê um aumento de 450 euros até janeiro de 2026 não só para a PSP e GNR, mas também para a Guarda Prisional, a Polícia Marítima e a ASAE.

Inês Sousa Real afirmou que o PAN quer um “subsídio pago a todos os membros das forças de segurança” sem exceção e recordou que na anterior legislatura o seu partido já tinha feito propostas nesse sentido durante a discussão de Orçamentos do Estado. “Não podemos compactuar é que venham aqui fazer números mediáticos à conta das forças de segurança”, disse, já em resposta a um pedido de esclarecimentos da bancada do Chega, que tinha lembrado o apoio do PAN ao Governo PS.

Também alvo de fortes e ruidosos protestos pela bancada do Chega foi o líder parlamentar do BE, Fabian Figueiredo, quando descreveu as condições precárias de habitação e de vida dos agentes policiais, elogiou o seu trabalhou e deplorou a elevada taxa de suicídio que se verifica entre os seus profissionais e que considerou mesmo ser “uma catástrofe”.

“Salário justo, dignidade, respeito e tempo para viver”, pediu o bloquista para os polícias, sob os apartes do Chega. “Nem parece o BE a falar”, ouviu-se.

De resto, João Almeida, do CDS, fez uma intervenção, para atacar (sem nomear) o Bloco de Esquerda, por estar a defender a polícia, considerando que essa seria uma incongruência. E defendeu, apresentando-se como deputado “da direita institucional” o agravamento de penas para crimes cometidos contra elementos das forças de segurança.

“Queremos que as forças de segurança recebam mais e sejam tratados com maior dignidade”, disse João Almeida.

Uma intervenção que serviu para o líder parlamentar do Chega, Pedro Pinto, perguntar “como é que vai votar o CDS”, se como disse Nuno Melo, que defendeu a equiparação de subsídios entre as forças policiais, ou não.

Rui Rocha, da IL, atacou “a tremenda hipocrisia” do PS e a “injustiça que foi feita à socapa” pelo Governo de António Costa ao atribuir um subsídio de risco à PJ e não às outras forças policiais.

Rocha defendeu, contudo, que “aquilo que André Ventura fez é grave”, comparando a convocatória feita pelo Chega “ao pior PCP, o PCP do PREC”, e acusando Ventura de estar a tentar manipular o descontentamento das forças de segurança. Um comportamento que classificou como “irresponsável” e que disse ter constituído uma tentativa de coação e condicionamento dos deputados e deputadas.

Mais na Visão

Mais Notícias

5 atitudes que podemos ter diariamente para aliviar o stresse

5 atitudes que podemos ter diariamente para aliviar o stresse

Nestes cinco hotéis pode ir de férias com o seu amigo patudo

Nestes cinco hotéis pode ir de férias com o seu amigo patudo

As escolhas de Letizia e Sofia que não ofuscam Leonor

As escolhas de Letizia e Sofia que não ofuscam Leonor

15 festivais gastronómicos (para comer e beber bem) do Minho ao Algarve

15 festivais gastronómicos (para comer e beber bem) do Minho ao Algarve

Vencedores e vencidos do 25 de Abril na VISÃO História

Vencedores e vencidos do 25 de Abril na VISÃO História

Cidades resilientes: a biodiversidade enquanto imperativo na era da crise climática

Cidades resilientes: a biodiversidade enquanto imperativo na era da crise climática

Em “A Promessa”: Laura emociona-se ao ver Tomás a ser internado à força

Em “A Promessa”: Laura emociona-se ao ver Tomás a ser internado à força

Juros altos por mais tempo?

Juros altos por mais tempo?

Rumo a Sul: 7 passeios de barco, do Alqueva à Ria Formosa

Rumo a Sul: 7 passeios de barco, do Alqueva à Ria Formosa

Birkenstock, escritório e showroom, em Amesterdão

Birkenstock, escritório e showroom, em Amesterdão

Investigadores da Universidade de Lisboa recebem apoio para estudar doenças raras em Portugal

Investigadores da Universidade de Lisboa recebem apoio para estudar doenças raras em Portugal

Um novo estúdio em Lisboa para jantares, showcookings, apresentações de marcas, todo decorado em português

Um novo estúdio em Lisboa para jantares, showcookings, apresentações de marcas, todo decorado em português

Adélia Prado - Uma voz entre o quotidiano e o transcendente

Adélia Prado - Uma voz entre o quotidiano e o transcendente

Equipa do Técnico conquista segundo lugar em competição  de barcos elétricos

Equipa do Técnico conquista segundo lugar em competição de barcos elétricos

Exame Informática TV nº 872: Balança Withings, vencedores do 5G Challenge e carregador para elétricos

Exame Informática TV nº 872: Balança Withings, vencedores do 5G Challenge e carregador para elétricos

Os alfaiates de violinos

Os alfaiates de violinos

"Cada vez que olharmos para uma tela do Cargaleiro, pensamos que ele ainda fala connosco"

Mariana de “Casados à Primeira Vista” celebra 25 anos: 25 fotografias que mostram toda a sua beleza

Mariana de “Casados à Primeira Vista” celebra 25 anos: 25 fotografias que mostram toda a sua beleza

Solidão a longo prazo aumenta o risco de AVC, demonstra novo estudo

Solidão a longo prazo aumenta o risco de AVC, demonstra novo estudo

Cinema: Mais um verão com Ingmar Bergman

Cinema: Mais um verão com Ingmar Bergman

12 novas casas de banho funcionais, confortáveis e atraentes

12 novas casas de banho funcionais, confortáveis e atraentes

Um dos sintomas de Covid-19 mais desvalorizado mas a que é preciso estar atento

Um dos sintomas de Covid-19 mais desvalorizado mas a que é preciso estar atento

Animais que nos fazem rir!

Animais que nos fazem rir!

Princesa Leonor triunfa num romântico e sedutor vestido de renda em azul-marinho

Princesa Leonor triunfa num romântico e sedutor vestido de renda em azul-marinho

Alterações climáticas: Há razões para aumentar o alarme?

Alterações climáticas: Há razões para aumentar o alarme?

Em “A Promessa”: Tomás toma decisão radical e aponta uma arma a Miguel

Em “A Promessa”: Tomás toma decisão radical e aponta uma arma a Miguel

I Congresso Internacional de Lusitanistas

I Congresso Internacional de Lusitanistas

Sustentabilidade: Este mar que se esgota

Sustentabilidade: Este mar que se esgota

Depois dos Magnum, Unilever diz adeus às pessoas

Depois dos Magnum, Unilever diz adeus às pessoas

Sabe o que são os padrões obscuros? Conheça a técnica dos sites e apps para manipular os utilizadores

Sabe o que são os padrões obscuros? Conheça a técnica dos sites e apps para manipular os utilizadores

Princesa Leonor já está em Portugal

Princesa Leonor já está em Portugal

Guia de essenciais de viagem para a sua pele

Guia de essenciais de viagem para a sua pele

10 animais que resistem ao calor

10 animais que resistem ao calor

Kiwi contra um dos mais dolorosos efeitos secundários da quimioterapia. O

Kiwi contra um dos mais dolorosos efeitos secundários da quimioterapia. O "método inovador" criado por investigadores portugueses

6 looks de verão versáteis e leves para começar a usar já

6 looks de verão versáteis e leves para começar a usar já

Quem tinha mais poderes antes do 25 de Abril: o Presidente da República ou o Presidente do Conselho?

Quem tinha mais poderes antes do 25 de Abril: o Presidente da República ou o Presidente do Conselho?

10 dicas para usar T-shirts e camisas oversized

10 dicas para usar T-shirts e camisas oversized

Salgueiro Maia, o herói a contragosto

Salgueiro Maia, o herói a contragosto

Zunder, a aplicação para carregar o carro por toda a Europa, chega a Portugal

Zunder, a aplicação para carregar o carro por toda a Europa, chega a Portugal

Famosos na antestreia do filme de César Mourão

Famosos na antestreia do filme de César Mourão

Pigmentarium: perfumaria de nicho inspirada na herança cultural da República Checa

Pigmentarium: perfumaria de nicho inspirada na herança cultural da República Checa

Meghan inspira-se no seu segundo vestido de casamento

Meghan inspira-se no seu segundo vestido de casamento

ChatGPT chega a todos os Peugeot equipados com comandos de voz

ChatGPT chega a todos os Peugeot equipados com comandos de voz

O espetacular vestido de noiva de Sara Salgado

O espetacular vestido de noiva de Sara Salgado

Empreender à grande e à portuguesa

Empreender à grande e à portuguesa

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites