Na primeira pessoa: “Não passo o dia a pensar que não tenho as minhas pernas”

Foto: Luís Barra

Na primeira pessoa: “Não passo o dia a pensar que não tenho as minhas pernas”

Tinha 25 anos quando me foi diagnosticada diabetes tipo 1; não tinha sequer antecedentes familiares. Fui insulinodependente mais de 20 anos, até aos 49. A insuficiência renal apareceu aos 45, em consequência da diabetes mal controlada. Além da restrição de líquidos – no fim do dia, só podia ingerir meio litro no conjunto de todas as bebidas – e de perder a função urinária, comecei a fazer diálise, dia sim dia não, uma verdadeira prisão. Toda a minha vida era feita em função dos horários da diálise.

Um dia, estava na praia e vi o dedão direito negro, assustei-me. Conclusão: amputação do dedo, que, na verdade, é quase meio pé. Os médicos tentaram todas as soluções, desde medicação a tratamentos na câmara hiperbárica, para não ter uma infeção generalizada. Nessa altura, em 2011, andava de canadianas, mas a ferida nunca chegou a fechar e a solução era a amputação da perna, abaixo do joelho.

O mesmo viria a acontecer no pé esquerdo e, quando perdi a vontade de comer, cheguei à conclusão de que tudo estava a ser afetado. Estava inscrito em dois hospitais para fazer o transplante reno-pancreático, era o meu maior objetivo. Valia a pena lutar pelo pé? O médico não garantia nada… então, pedi-lhe que cortasse a perna esquerda, por onde cortou a outra. Quando me aparece um obstáculo, não penso no problema, penso na solução.

A amputação tinha de acontecer. Informei-me, pesquisei na internet e vi que havia outras pessoas que seguiram com as suas vidas. No hospital, davam apoio psicológico, mas nunca precisei. Sempre aceitei bem a situação. O grande problema das pessoas, quando são amputadas, é pensarem no que vão deixar de fazer, que a vida que tinham antes acabou e que vão ficar numa cadeira de rodas. Andei alguns meses de canadianas e apoiado pelo meu pai até receber as próteses, o modelo mais adequado para mim, através da Segurança Social.

Não pensava: “Se tivesse já as próteses…” Mas, sim: “Quero as próteses para tentar andar.” Não sabemos qual é a nossa capacidade de adaptação. Felizmente, adaptei-me muito bem, melhor do que com um andarilho que a fisioterapeuta me deu.

Ao princípio, ajustei o meu carro para ter os comandos de acelerador, travão, embraiagem e mudanças no volante, mas não conseguia… utilizava na mesma os pés. Entretanto, comprei um carro e a única diferença é ser automático.

Por vezes, sentia a dor fantasma, parecia que tinha comichão no dedo do pé ou que me doía o pé. Sabia que estava tudo relacionado com o sistema nervoso do coto; então, pressionava um pouco e passava. É uma sensação estranha ter comichão numa parte do corpo que já não se tem. Hoje, quando toco na extremidade do coto, é a mesma sensação de antigamente, de tocar na minha perna, no meu joelho.

“Ando bastante a pé”

Tenho um segundo par de próteses, feitas de uma fibra sintética mais leve e mais resistente, mas têm um problema no encaixe e, depois de ajustadas, não podem sofrer grandes alterações. O pé e o tornozelo da prótese têm um movimento lateral; posso inclinar-me e tenho flexibilidade, isso ajuda a equilibrar-me. Adaptei estas para ir à praia, para conseguir ir ao mar. Falta um forro no pé de neoprene, para ir a pé para dentro de água. Mas, como fui transplantado, devo evitar a exposição solar. Por isso, não vou há alguns anos à praia.

Não passo o dia a pensar que não tenho as minhas pernas. Lembro-me quando, por exemplo, vou descer umas escadas, porque preciso de ir de lado e de me segurar no corrimão.

À noite, dispo-me e sento-me na cadeira de rodas; vou para o quarto, passo da cadeira para a cama e durmo. Quando acordo, vou de novo para a cadeira e sigo, ainda sem próteses, para a casa de banho. Faço a minha higiene, tomo banho de joelhos na banheira e visto-me. Depois, calçar as próteses é como calçar os sapatos. Na verdade, só uso a cadeira de rodas de manhã.

Fui dono de uma pastelaria durante muitos anos, em que passava muitas horas em pé, mas deixei de trabalhar. Tenho muito tempo livre e ando bastante a pé. Aqui, em Setúbal, faço boas caminhadas na Avenida Luísa Todi, para lá e para cá, duas vezes. As subidas e descidas são mais difíceis, mas depende da inclinação, é uma questão de equilíbrio. Cruzo a perna e tudo, mas não devo; não é bom para o coto porque faz torção.

Correr é possível, mas tem de se ter uma prótese adaptada. Se quiser começar a correr, corro; depois, não consigo parar de repente. Numa aflição, corro de certeza!

Antes das duas amputações, nunca tinha praticado desporto; a seguir, joguei andebol em cadeira de rodas desportiva, durante cinco anos. Jogava no campeonato nacional sem próteses e ganhei taças e medalhas. Também experimentei o ténis de mesa.

Por vezes, sentia a dor fantasma, parecia que tinha comichão no dedo do pé ou que me doía o pé. Sabia que estava tudo relacionado com o sistema nervoso do coto; então, pressionava um pouco e passava. É uma sensação estranha ter comichão numa parte do corpo que já não se tem

O meu médico diz que estou cada vez melhor. Desde 2013, quando recebi um rim e um pâncreas, é inquestionável que ganhei qualidade de vida. A diabetes tinha que ver essencialmente com o controlo da alimentação, mas passei a pensar nas restrições, porque engordo. Quando à diabetes se juntou a diálise, foi uma confusão, já que certos alimentos que podia comer, por ser diabético, eram desaconselhados por ter insuficiência renal. Não podia comer tomate, muitas verduras e fruta por causa da frutose; era preciso ter atenção ao ferro, ao potássio, ao cálcio.

Com o transplante duplo, deixei totalmente de ter preocupações com a alimentação. Já posso comer um bolinho descansado. Posso comer como qualquer pessoa, não devo abusar, como qualquer pessoa. Era terrível a restrição de líquidos, e se a diabetes puxa a sede… Era uma batalha. Agora, posso beber o que quiser e devia, por causa do rim, mas até me esqueço de beber água.

Também me senti livre. A diálise, dia sim dia não, era uma prisão. Não podia estar ausente de casa muitos dias, e ir de férias era difícil. No final de 2021, comprei uma viagem e fui um mês para o Brasil. Entretanto, já fui a Dublin, na Irlanda, a São Miguel, nos Açores, ao Funchal, na Madeira, e dei algumas voltinhas por Portugal. Antes, isso era impossível. scalheiros@visao.pt

Depoimento recolhido por Sónia Calheiros

Palavras-chave:

Mais na Visão

Mais Notícias

Dicas para se vestir de acordo com as eras de Taylor Swift

Dicas para se vestir de acordo com as eras de Taylor Swift

Palavra de profissional: estúdio de design Raw-Edges

Palavra de profissional: estúdio de design Raw-Edges

15 de maio: Dia Internacional da Família

15 de maio: Dia Internacional da Família

Tarifário da água no Algarve abaixo da média nacional é erro crasso -- ex-presidente da APA

Tarifário da água no Algarve abaixo da média nacional é erro crasso -- ex-presidente da APA

A diversidade e a necessidade de “rebentar a bolha”

A diversidade e a necessidade de “rebentar a bolha”

O estilo extravagante de Cressida em ‘Bridgerton’ esconde mensagem

O estilo extravagante de Cressida em ‘Bridgerton’ esconde mensagem

São estes os concorrentes de

São estes os concorrentes de "Congela" o novo concurso da TVI

Será que vamos bater o 12º recorde de temperatura mensal seguido?

Será que vamos bater o 12º recorde de temperatura mensal seguido?

Vencedores do passatempo 'IF - Amigos Imaginários'

Vencedores do passatempo 'IF - Amigos Imaginários'

Salgueiro Maia, o herói a contragosto

Salgueiro Maia, o herói a contragosto

Google quer ligar África e Austrália com um cabo submarino

Google quer ligar África e Austrália com um cabo submarino

Jl 1399

Jl 1399

Festival Soil to Soul: Comida, música e conversas no Castelo do Alandroal

Festival Soil to Soul: Comida, música e conversas no Castelo do Alandroal

"Casados à Primeira Vista": Inês confessa sobre Paulo: "Damos as mãos até hoje"

Zendaya e Tom Holland de mãos dadas, em Londres

Zendaya e Tom Holland de mãos dadas, em Londres

VOLT Live: O estudo que prova que os 100% elétricos são a opção mais económica para as empresas

VOLT Live: O estudo que prova que os 100% elétricos são a opção mais económica para as empresas

No Porto, a Casa Armanda Passos mostra obras inéditas da artista

No Porto, a Casa Armanda Passos mostra obras inéditas da artista

Em Cannes também

Em Cannes também "desfilou" o amor

Huawei MatePad Pro 13.2: fino e leve

Huawei MatePad Pro 13.2: fino e leve

Quis Saber Quem Sou: Será que

Quis Saber Quem Sou: Será que "ainda somos os mesmos e vivemos como os nossos pais?"

Xiaomi 14 Ultra: arrumámos a câmara fotográfica

Xiaomi 14 Ultra: arrumámos a câmara fotográfica

Um novo estúdio em Lisboa para jantares, showcookings, apresentações de marcas, todo decorado em português

Um novo estúdio em Lisboa para jantares, showcookings, apresentações de marcas, todo decorado em português

E o melhor Enoturismo Nacional é...

E o melhor Enoturismo Nacional é...

Beatrice Borromeo e Pierre Casiraghi, os príncipes de Cannes

Beatrice Borromeo e Pierre Casiraghi, os príncipes de Cannes

Instalação de carregadores em condomínios: Respostas às dúvidas sobre a legislação

Instalação de carregadores em condomínios: Respostas às dúvidas sobre a legislação

Desfile de famosos na festa Chopard em Cannes

Desfile de famosos na festa Chopard em Cannes

20% das mortes por anafilaxia devem-se a picadas de insetos

20% das mortes por anafilaxia devem-se a picadas de insetos

3 celebridades que foram contra o dress code de Cannes

3 celebridades que foram contra o dress code de Cannes

Quem é que estava na entrada e autorizou a menina a sair?

Quem é que estava na entrada e autorizou a menina a sair?

David Carreira e Carolina Carvalho vão ser pais de Camila? - O segredo mais bem guardado

David Carreira e Carolina Carvalho vão ser pais de Camila? - O segredo mais bem guardado

De Zeca Afonso a Adriano Correia de Oliveira. O papel da música de intervenção na revolução de 1974

De Zeca Afonso a Adriano Correia de Oliveira. O papel da música de intervenção na revolução de 1974

A meio caminho entre o brioche e o folhado, assim são os protagonistas da Chez Croissant

A meio caminho entre o brioche e o folhado, assim são os protagonistas da Chez Croissant

A elegância de Francisca Cerqueira Gomes no regresso a Cannes, ao lado de Pierre Gasly

A elegância de Francisca Cerqueira Gomes no regresso a Cannes, ao lado de Pierre Gasly

Charlotte Casiraghi e Beatrice Borromeo apaixonadas pelo mesmo estilo de vestido

Charlotte Casiraghi e Beatrice Borromeo apaixonadas pelo mesmo estilo de vestido

Lisbon Design Week, evento dedicado ao design e artesanato contemporâneos

Lisbon Design Week, evento dedicado ao design e artesanato contemporâneos

Planeta continuou a aquecer em abril apesar da diminuição do El Niño

Planeta continuou a aquecer em abril apesar da diminuição do El Niño

O segredo dos vasos decorativos

O segredo dos vasos decorativos

O poder da empatia na liderança e gestão de talento

O poder da empatia na liderança e gestão de talento

As fotografias do Vietname de Paula Guimarães em mostra na Art Room

As fotografias do Vietname de Paula Guimarães em mostra na Art Room

Novo Dacia Spring já pode ser encomendado em Portugal

Novo Dacia Spring já pode ser encomendado em Portugal

OMS atualiza lista de bactérias que ameaçam saúde humana por resistirem aos antibióticos

OMS atualiza lista de bactérias que ameaçam saúde humana por resistirem aos antibióticos

Uma turma com muita poesia

Uma turma com muita poesia

“Eh Lá Fora!”

“Eh Lá Fora!”

Vencedores e vencidos do 25 de Abril na VISÃO História

Vencedores e vencidos do 25 de Abril na VISÃO História

Perturbações mentais

Perturbações mentais "contagiosas" nas redes sociais da vida real? Sim e o ato de procurar ajuda também

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites