Na primeira pessoa: “Não sou menos cigana porque estudei e me tornei uma mulher independente”

Na primeira pessoa: “Não sou menos cigana porque estudei e me tornei uma mulher independente”

Abri o meu escritório há dois meses, em parceria com dois colegas de Esposende, mas estou sozinha em Torre de Moncorvo. Não quero tornar-me advogada só de pessoas de etnia cigana, trabalho para quem vier ter comigo. Por agora, tenho trabalhado bastante na área de direitos reais, por exemplo na compra e venda de uma casa ou a tratar de testamentos, mas antes, com o meu patrono, trabalhava em direito do trabalho e direito criminal, que considero ser o mais aliciante.

Comparando Torre de Moncorvo, no Interior, no distrito de Bragança, com uma grande cidade, a criminalidade é menor, mas vê-se um pouco de tudo. Os homicídios podem ser chocantes, mas é nesses casos que mais gosto de trabalhar, embora seja sempre mais complicado defender o culpado. Só não aceito casos de violação – é a minha única objeção de consciência.

Sempre sonhei ser juíza desde que comecei a ouvir dizer que as decisões em relação à etnia cigana nem sempre eram imparciais. Ao começar a conhecer a lei e os pressupostos que devem ser respeitados, faziam-me confusão certas situações que envolviam as pessoas da comunidade. Queria conseguir fazer justiça e reverter a situação. Agora, vou ganhar experiência e, daqui a meia dúzia de anos, quando a minha filha for mais crescida, concorro ao Centro de Estudos Judiciários pela via profissional.

“Tens de fazer a diferença”

Comecei a perceber a diferença que havia entre mim e as outras raparigas ciganas principalmente quando fui para a faculdade no Porto, por volta dos 20 anos. Depois do ensino secundário – em que o meu pai não se deixava levar pelas minhas manhas, nem que fosse para faltar só uma manhã à escola –, algumas quiseram dar seguimento aos estudos e já não puderam, porque a faculdade é longe – a mais próxima fica, pelo menos, a uma hora de casa –, e aí o acesso à educação era-lhes vedado. Mas comigo isso não aconteceu. Quando terminei o 12º ano, o meu pai começou logo a procurar a melhor faculdade de Direito para mim.

Na infância e adolescência, tinha uma vida como a de qualquer outra criança, cigana ou não. Os meus pais sempre me disseram, a mim e aos meus irmãos [tenho duas irmãs, de 32 e 26 anos, mais um irmão de 18], para continuar: “Tens de fazer a diferença.”

Na comunidade, entre as pessoas mais próximas, havia quem discordasse de eu ir estudar para fora, mas isso não fazia diferença na minha vida. Ouvíamos comentários menos bons, mas o meu pai nunca lhes deu ouvidos, ignorava-os. Diziam-lhe que eu não ia para o Porto estudar, ia passear; não estava bem ir para lá sozinha e tirar a carta de condução.

Não ganhei má fama, mas penso que a maior parte das pessoas, sem serem apenas as da comunidade cigana, achava que eu não conseguiria terminar o curso.

Respeito a minha comunidade e a forma como quer viver e trabalhar, normalmente a vender, mas não concordo com alguns aspetos. Há valores que não aceito para a minha filha, agora com 3 anos, como deixar de estudar aos 13 para casar, que não possa ir para a faculdade, não possa ter amigos rapazes que não sejam ciganos ou não possa sair para jantar fora com as amigas.

Respeito a minha comunidade e a forma como quer viver e trabalhar, mas não concordo com alguns aspetos. Há valores que não aceito para a minha filha, como deixar de estudar aos 13 anos para casar, ou que não possa ir para a faculdade, não possa ter amigos rapazes que não sejam ciganos ou não possa sair para jantar fora com as amigas

Porque é que viajar com amigas ou ir tomar um café com amigos nos haveria de definir como pessoas ou tornar-nos menos ciganas? As outras mulheres da comunidade não o fazem porque fica mal aos olhos dos outros. Eu não me importo com o que pensam.

Todos temos direito à liberdade de expressão e a fazer o que bem entendermos, sem prejudicar os outros. Hoje, só não muda quem não quer. Mas viver numa família muito conservadora pode não ajudar. Nesses casos, a força da família é muito maior do que a da mulher sozinha, e são ainda poucas as mulheres a arriscar ter uma vida diferente.

Não incentivo as minhas amigas a fazerem quaisquer mudanças. Não quero ser vista como a causa do problema. Mas já passei por uma situação em que uma mãe e a sua filha de 15 anos vieram ter comigo para me pedir ajuda para falar com o pai dela. Então, fui ter com ele para falar sobre deixar a filha continuar a ir à escola.

Expliquei-lhe o meu caso, e que o facto de estudarmos não impede de continuarmos a cumprir todas as tradições ciganas. Tenho muito orgulho em ser cigana. E consegui que essa menina voltasse a estudar.

“Ninguém tem o direito de cortar as asas”

Não sou menos cigana porque estudei, fiz o meu percurso e me tornei uma mulher independente e realizada. Isso só nos torna mulheres mais felizes e completas, sem sermos dependentes de um homem – um conselho, aliás, que sempre ouvi do meu pai.

Na universidade, os meus professores, quando souberam que era cigana, até ficaram felizes por ali estar. Na altura, passei por uma situação em que o meu pai teve um problema e tive de faltar às aulas – todos facilitaram imenso e ajudaram-me.

Nunca ter ouvido expressões como “vai vender na feira” é um sinal de mudança, sobretudo na minha geração, mas na dos mais velhos ainda há muito para fazer, e nem sei se alguma vez a mudança acontecerá.

É preciso mudar a forma de educar meninas e meninos. De que vale ter uma mulher com uma opinião mais aberta se a do homem se mantiver conservadora? Talvez só quando eu for avó se irão sentir mudanças significativas.

Estamos a progredir e vamos no bom caminho, mas quando vou a escolas fazer palestras, noto que há crianças com sonhos, mas também entraves familiares que não as deixam avançar. Ninguém tem o direito de cortar as asas e não deixar concretizar o sonho. Espero que a minha filha tenha gosto em estudar e siga a profissão que quiser.

Palavras-chave:

Mais na Visão

Mais Notícias

Está quase a chegar a festa final de 'Miúdos a Votos!'

Está quase a chegar a festa final de 'Miúdos a Votos!'

Cor e elegância marcam os

Cor e elegância marcam os "looks" do primeiro fim de semana de Cannes

15 de maio: Dia Internacional da Família

15 de maio: Dia Internacional da Família

Hipertensão arterial: procedimento

Hipertensão arterial: procedimento "minimamente invasivo" melhora significativamente a qualidade de vida dos doentes

Quartos: 5 novas camas para boas noites de sono

Quartos: 5 novas camas para boas noites de sono

Tal mãe, tal filha! Vestidos matchy matchy frescos e a preços baixos para este verão

Tal mãe, tal filha! Vestidos matchy matchy frescos e a preços baixos para este verão

Médico australiano livre de cancro no cérebro graças a tratamento inovador desenvolvido pelo próprio

Médico australiano livre de cancro no cérebro graças a tratamento inovador desenvolvido pelo próprio

Os nomes estranhos das fobias ainda mais estranhas

Os nomes estranhos das fobias ainda mais estranhas

O segredo dos vasos decorativos

O segredo dos vasos decorativos

A diversidade e a necessidade de “rebentar a bolha”

A diversidade e a necessidade de “rebentar a bolha”

O fracasso da AIMA, a frustração dos imigrantes e a inércia do Governo

O fracasso da AIMA, a frustração dos imigrantes e a inércia do Governo

Tesla volta aos cortes e avança com nova ronda de despedimentos

Tesla volta aos cortes e avança com nova ronda de despedimentos

Energia para Mudar: a descida dos preços dos carros elétricos e dos carregamentos

Energia para Mudar: a descida dos preços dos carros elétricos e dos carregamentos

Salgueiro Maia, o herói a contragosto

Salgueiro Maia, o herói a contragosto

Diana Chaves confessa que casamento de Elisabete e Francisco foi

Diana Chaves confessa que casamento de Elisabete e Francisco foi "constrangedor"

Mini Cooper SE: fun, fun, fun…

Mini Cooper SE: fun, fun, fun…

Martech B2B Summit:

Martech B2B Summit: "quem não está confuso, está mal informado"

6 peças económicas que elevam o guarda-roupa

6 peças económicas que elevam o guarda-roupa

Óleo para lábios - a tendência de hidratação do momento

Óleo para lábios - a tendência de hidratação do momento

Na reta final da gravidez, Mafalda Castro mostra o quarto do bebé

Na reta final da gravidez, Mafalda Castro mostra o quarto do bebé

EDP Renováveis conclui venda de projeto eólico no Canadá

EDP Renováveis conclui venda de projeto eólico no Canadá

Copilot+: Microsoft revela nova geração de computadores com IA

Copilot+: Microsoft revela nova geração de computadores com IA

Pedro Cabrita Reis, 50 anos depois. Uma exposição para mergulhar no caos criativo do artista

Pedro Cabrita Reis, 50 anos depois. Uma exposição para mergulhar no caos criativo do artista

Humor e irreverência em iluminação

Humor e irreverência em iluminação

O futuro começou esta noite. Como foi preparado o 25 de Abril

O futuro começou esta noite. Como foi preparado o 25 de Abril

Em Cannes, Naomi Campbell deslumbra com o mesmo vestido Chanel com o qual desfilou em 1996

Em Cannes, Naomi Campbell deslumbra com o mesmo vestido Chanel com o qual desfilou em 1996

NÃO ME MAGOAS MAIS

NÃO ME MAGOAS MAIS

MAI apela à limpeza dos terrenos rurais

MAI apela à limpeza dos terrenos rurais

Sede da PIDE, o último bastião do Estado Novo

Sede da PIDE, o último bastião do Estado Novo

Ana Cristina Silva - Pensar como o Marquês de Pombal

Ana Cristina Silva - Pensar como o Marquês de Pombal

Cor e elegância marcam os

Cor e elegância marcam os "looks" do primeiro fim de semana de Cannes

VISÃO Se7e: À solta nos museus e no caos criativo de Pedro Cabrita Reis

VISÃO Se7e: À solta nos museus e no caos criativo de Pedro Cabrita Reis

Auditoras falharam a identificar 75% dos colapsos de empresas

Auditoras falharam a identificar 75% dos colapsos de empresas

20% das mortes por anafilaxia devem-se a picadas de insetos

20% das mortes por anafilaxia devem-se a picadas de insetos

“Big Brother”: A reação de Catarina Miranda à chegada de Francisco Monteiro à gala

“Big Brother”: A reação de Catarina Miranda à chegada de Francisco Monteiro à gala

Lisbon Design Week: Cinco dias para celebrar a criatividade, bairro a bairro

Lisbon Design Week: Cinco dias para celebrar a criatividade, bairro a bairro

No dia do 6.º anversário, recorde os melhores momentos do romântico casamento de Meghan e Harry

No dia do 6.º anversário, recorde os melhores momentos do romântico casamento de Meghan e Harry

Um novo estúdio em Lisboa para jantares, showcookings, apresentações de marcas, todo decorado em português

Um novo estúdio em Lisboa para jantares, showcookings, apresentações de marcas, todo decorado em português

“Big Brother 2024” - Catarina abdicou de uma fortuna para entrar no programa com a lição bem estudada: “Furacão” Miranda

“Big Brother 2024” - Catarina abdicou de uma fortuna para entrar no programa com a lição bem estudada: “Furacão” Miranda

As elegantes escolhas de Mary da Dinamarca na visita à Noruega

As elegantes escolhas de Mary da Dinamarca na visita à Noruega

A grande exposição de Pedro Cabrita Reis

A grande exposição de Pedro Cabrita Reis

Tarifário da água no Algarve abaixo da média nacional é erro crasso -- ex-presidente da APA

Tarifário da água no Algarve abaixo da média nacional é erro crasso -- ex-presidente da APA

Quis Saber Quem Sou: Será que

Quis Saber Quem Sou: Será que "ainda somos os mesmos e vivemos como os nossos pais?"

iPhone 17 ‘Slim’ pode chegar em 2025 com design renovado

iPhone 17 ‘Slim’ pode chegar em 2025 com design renovado

“Eh Lá Fora!”

“Eh Lá Fora!”

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites