Na primeira pessoa: “Há quem limpe casas; eu limpo o lixo da internet. Não sabia que o ser humano era capaz de coisas tão cruéis”

Foto: LB

Na primeira pessoa: “Há quem limpe casas; eu limpo o lixo da internet. Não sabia que o ser humano era capaz de coisas tão cruéis”

H á quem limpe casas; eu limpo o lixo da internet. Antes de ser contratada, não fazia a mínima ideia do que ia fazer, apenas que tinha de saber espanhol. Tudo era confidencial e secreto. Foi só no escritório que me puseram perante conteúdos a que possivelmente ia estar exposta e explicaram-me como é feita a classificação: pode ser visto por crianças e bebés; por pessoas com mais de 18 anos; ou é tão gráfico e intenso que não deve estar na internet.

Não posso ser específica, porque assinei um contrato de confidencialidade, mas posso dizer que me mostraram logo o pior do pior. Nem todas as plataformas fazem a moderação do conteúdo de igual maneira. Aliás, há plataformas com zero moderação.

É complicado tentarem imaginar o que eu vejo. A pessoa que sou hoje não é a mesma que entrou naquela empresa. O que vejo todos os dias faz-me mudar de uma forma astronómica, e nem sempre me apercebo. Achava que era pouco sensível a determinados temas, pensava que não ia afetar-me, mas quando somos expostos a esse tipo de conteúdo, é diferente. Sobretudo se for durante muitas horas seguidas. 

Quando chego ao final do dia, é difícil olhar para as pessoas como dantes. Antes de começar a limpar o lixo da internet, não sabia que o ser humano era capaz de coisas tão cruéis. E a atenção que passei a ter em espaços públicos… não sei se é medo, mas fico muito a observar, não estou 100% confortável.

Sou licenciada em Biomecânica, fiz o mestrado em Fisioterapia Desportiva, em Madrid, regressei a Lisboa em janeiro e, agora, entrei no curso de Osteopatia. Quando soube da hipótese de moderação de conteúdos, pensei: “É um primeiro trabalho e depois vou para a minha área, onde as oportunidades não são muitas.”

Ao princípio, estava tudo bem. Parecia um filme. Só depois é que me senti obrigada a criar uma barreira mental entre o que vejo e a minha vida pessoal. A família e os amigos acham-me super resistente por conseguir ver determinados conteúdos; dizem que, se fossem eles, só iam chorar. De facto, sou resistente, mas há coisas que vão marcar-me para sempre. Coisas desumanas a que ninguém fica indiferente.

Quando chego ao final do dia, é difícil olhar para as pessoas como dantes. E a atenção que passei a ter em espaços públicos… não sei se é medo, mas fico muito a observar, não estou 100% confortável

Na minha empresa, há uma certa preocupação relativamente ao número de horas a que estamos expostos a esse tipo de conteúdo. E há uma grande atenção à nossa saúde mental. Existe apoio psicológico 24 horas por dia, sete dias por semana, para nós e para as pessoas à nossa volta, porque temos de ter um ambiente estável fora do trabalho, para não sermos afetados negativamente. De xis em xis tempo, temos uma sessão para dizermos como nos sentimos.

De início, pensava: “São só umas horas por dia e depois vou para a faculdade e vou fazer surf e…” Mas, quando se torna rotina, somos obrigados a olhar para nós e a pensar se está ou não a afetar. E estava. Não vou voltar a ser a pessoa que era. Perdi a inocência e foi à bruta.

Em princípio, tenho de ver os conteúdos na íntegra – a não ser que surja logo uma coisa muito grave, do mais violento, do mais gráfico que há. Gostava de dar exemplos, mas não posso. Pensem só que tudo aquilo que aparece nos telejornais, nos noticiários, e em que a imagem aparece enevoada ou pixelizada… é esse o nível gráfico que vejo. Vejo tudo cru.

Tenho de procurar o conteúdo mais grave e assinalá-lo para justificar a minha classificação. Os conteúdos são vistos por várias pessoas e a classificação final é dada com base numa média.

“TENTAMOS SER NEUTRAIS”

A moderação de conteúdos também deve estar de acordo com a maior parte das culturas no mundo, o que não é fácil. Para os budistas, o vídeo do Dalai Lama a beijar uma criança é normal, porque ele é Deus na Terra. No entanto, para os países europeus e para as nossas políticas de moderação de conteúdo, até que ponto não é abuso de menores?

Existem regras, mas, assim que um vídeo surge, temos de classificá-lo num muito curto espaço de tempo, porque são biliões de uploads ao minuto. A decisão final é superior a nós – recebemos indicações de como devemos atuar, mesmo quando vai contra os nossos princípios.

Foi-nos dito que o Hamas é um grupo terrorista, mas então aquilo que Israel está a cometer não é um genocídio? Há quem pense que sim. Tentamos ser o mais neutrais possível, sem tomar um lado.

Acredito que faço o que faço por um mundo melhor. Embora saiba que aquilo que vejo e bloqueio pode ir para o ar noutro lado. Se uma pessoa quiser ter acesso, tem, mas ao menos não vê sem querer.

É um trabalho importante e alguém tem de o fazer. Acredito que o que faço tem um significado maior, embora não dê o corpo ao manifesto, como uma médica sem fronteiras. É para as pessoas não entrarem numa espiral de depressão, porque o ser humano é horrível.

Ninguém devia ser exposto a determinados conteúdos. Não fiquei dessensibilizada, mas, se calhar, não vou ter a mesma reação de antes; se calhar, não vou dar tanta importância. Já vi tanto que relativizo.

Hoje, já tenho amigos a dizer que não sabem se querem ter filhos neste mundo, não quero imaginar como iria mudar a perspetiva de futuro que têm as pessoas da minha geração. Se vissem a maior parte das coisas que nós vemos… não sei se a sociedade ia aguentar emocionalmente.

Depois de se conhecer a parte mais vil do ser humano, corre-se o risco de banalizar. Se tudo fosse exposto e considerado normal, ia mesmo passar a ser – e aquelas coisas não podem ser banais nem normais.

Quando vou a um centro comercial, gosto de encontrar uma casa de banho limpa. Na internet, gosto de ver flores e animais bonitos, é agradável, é bom. O que acontece é que vou à casa de banho de um centro comercial e sei que houve alguém a limpar, mas, quando uma pessoa vai à internet, não faz ideia de que houve alguém a fazer o mesmo trabalho.

Depoimento recolhido por Rosa Ruela

Palavras-chave:

Mais na Visão

Mais Notícias

Filha de Brigitte Macron fala sobre a relação da mãe com Emmanuel Macron

Filha de Brigitte Macron fala sobre a relação da mãe com Emmanuel Macron

Final de “Flor Sem Tempo”: Diana mata Luís Maria e Vasco salva Catarina

Final de “Flor Sem Tempo”: Diana mata Luís Maria e Vasco salva Catarina

Logitech G Astro A50 X em análise: Tudo em um

Logitech G Astro A50 X em análise: Tudo em um

Miranda Sarmento: “Não é difícil pôr a economia portuguesa a crescer acima de 3%”

Miranda Sarmento: “Não é difícil pôr a economia portuguesa a crescer acima de 3%”

Um debate muito concorrido

Um debate muito concorrido

Vinhos de Porto Santo: Brancos atlânticos únicos que já dão bons frutos

Vinhos de Porto Santo: Brancos atlânticos únicos que já dão bons frutos

Kelly Bailey comenta a aquisição da nova habitação milionária: “Precisávamos de uma casa maior”. Veja as imagens!

Kelly Bailey comenta a aquisição da nova habitação milionária: “Precisávamos de uma casa maior”. Veja as imagens!

Porque é que os portugueses não conseguem comprar casa

Porque é que os portugueses não conseguem comprar casa

Beleza, tradição e ousadia na passarela da Balmain em Paris

Beleza, tradição e ousadia na passarela da Balmain em Paris

Adesão à greve no Hospital de Cascais ronda os 80%

Adesão à greve no Hospital de Cascais ronda os 80%

Investigadores descobrem nova ligação entre água e a formação de planetas

Investigadores descobrem nova ligação entre água e a formação de planetas

Artur Jorge: o exercício físico da poesia

Artur Jorge: o exercício físico da poesia

Quase 1.700 pessoas fizeram cirurgia da obesidade no SNS em 2023 com menos tempo de espera

Quase 1.700 pessoas fizeram cirurgia da obesidade no SNS em 2023 com menos tempo de espera

6 ideias para este fim de semana no Porto

6 ideias para este fim de semana no Porto

Os lugares desta História, com Isabel Stilwell: Filipe I de Portugal, por fim

Os lugares desta História, com Isabel Stilwell: Filipe I de Portugal, por fim

Esplanada, comida asiática e preços democráticos no Street Chow

Esplanada, comida asiática e preços democráticos no Street Chow

Caras Decoração de fevereiro: tranquilidade e aconchego em primeiro lugar

Caras Decoração de fevereiro: tranquilidade e aconchego em primeiro lugar

A transformação no segmento do Renting & Frotas

A transformação no segmento do Renting & Frotas

Quando a cantiga foi uma arma

Quando a cantiga foi uma arma

J. L. Barreto Guimarães, Poesia para médicos

J. L. Barreto Guimarães, Poesia para médicos

Palácio de Kensington volta a pronunciar-se sobre a doença de Kate

Palácio de Kensington volta a pronunciar-se sobre a doença de Kate

Conforto e muita luz, num apartamento em São Paulo, Brasil

Conforto e muita luz, num apartamento em São Paulo, Brasil

A elegância de Rania num vestido étnico

A elegância de Rania num vestido étnico

HP aposta na cibersegurança no ultraportátil Dragonfly G4

HP aposta na cibersegurança no ultraportátil Dragonfly G4

Passatempo: Ganha convites para a antestreia de 'O Panda do Kung Fu 4'

Passatempo: Ganha convites para a antestreia de 'O Panda do Kung Fu 4'

Giorgio Armani propõe veludo, flores e infuências orientais para o próximo inverno

Giorgio Armani propõe veludo, flores e infuências orientais para o próximo inverno

Presidente dos socialistas da UE diz que Costa foi

Presidente dos socialistas da UE diz que Costa foi "uma inspiração" em Portugal e Bruxelas

Citroën ë-C3: O elétrico que custa 23.300 euros chega em junho

Citroën ë-C3: O elétrico que custa 23.300 euros chega em junho

Brinquedos didáticos, livres e que estimulem a criatividade. Onde? Na Color Square

Brinquedos didáticos, livres e que estimulem a criatividade. Onde? Na Color Square

Poesia e estranheza

Poesia e estranheza

Serviço de abastecimento de água perde por ano 184 milhões de metros cúbicos

Serviço de abastecimento de água perde por ano 184 milhões de metros cúbicos

Na Escola Básica do Ave canta-se 'Eu gosto muito de ler'

Na Escola Básica do Ave canta-se 'Eu gosto muito de ler'

Elegância intemporal: O charme do casaco de 'tweed' Chanel

Elegância intemporal: O charme do casaco de 'tweed' Chanel

Maria Cerqueira Gomes vive experiência enriquecedora na Suíça

Maria Cerqueira Gomes vive experiência enriquecedora na Suíça

"Mais suave e mais eficaz": Será esta a alternativa natural ao retinol?

Desporto: 20 artigos para suar com estilo

Desporto: 20 artigos para suar com estilo

VOLT Live: como aumentar a competitividade e concorrência no mercado do carregamento de veículos elétricos

VOLT Live: como aumentar a competitividade e concorrência no mercado do carregamento de veículos elétricos

Em “Cacau”: Sal destrói festa de apresentação do chocolate de Cacau

Em “Cacau”: Sal destrói festa de apresentação do chocolate de Cacau

Frunk.at em testes: um porta-bagagens extra para o seu carro elétrico

Frunk.at em testes: um porta-bagagens extra para o seu carro elétrico

Vítor Matos:

Vítor Matos: "Com a segunda Estrela Michelin vou ter de repensar a minha vida”

Renováveis abasteceram 88% do consumo de eletricidade em fevereiro - REN

Renováveis abasteceram 88% do consumo de eletricidade em fevereiro - REN

Utentes do Barreiro em protesto no sábado contra suspensão do internamento de cardiologia do hospital

Utentes do Barreiro em protesto no sábado contra suspensão do internamento de cardiologia do hospital

Saccharum Resort, na terra do ouro branco

Saccharum Resort, na terra do ouro branco

Celebridades rendem-se às transparências no desfile de Saint Laurent

Celebridades rendem-se às transparências no desfile de Saint Laurent

As Revoluções Francesas na VISÃO História

As Revoluções Francesas na VISÃO História

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites