“Deadline”: Chegou a vez de os jornalistas fazerem greve

“Deadline”: Chegou a vez de os jornalistas fazerem greve

Agora, chegou a nossa vez. Chegou a vez de os jornalistas fazerem greve. Contra, como alerta o Sindicato dos Jornalistas, a “precariedade, os salários baixos, a sobrecarga laboral, os conflitos éticos, a degradação da qualidade do trabalho e a dificuldade de conciliação entre a vida profissional e a familiar”, os jornalistas vão fechar os computadores nesta quinta-feira, 14 de março.

Recorde-se que é apenas a segunda vez na nossa história democrática que os jornalistas fazem uma greve geral. A primeira aconteceu em agosto de 1983, há mais de 40 anos, portanto.

Mandatado pela moção aprovada no Congresso de Jornalistas, em janeiro, o sindicato da classe marcou a data. Nesse documento, ratificado por unanimidade, lê-se que “há anos que tentam partir a espinha do jornalismo e dos jornalistas”, que o “descalabro e o nível de destruição a que assistimos nos últimos meses pôs a nu, e da pior forma, a gravidade das condições de exercício do jornalismo em Portugal. Mas não começou com a destruição do Global Media Group. A crise está entranhada em todas as redações.”

Global Em janeiro, a reboque do grupo Global Media, proprietário do Jornal de Notícias, do Diário de Notícias e da TSF, a situação do jornalismo português esteve na agenda mediática

Quebrou-se o tabu da greve entre os jornalistas. “Tivemos sempre algum pudor em avançar para uma paralisação, mas está na altura de dizer basta”, diz Luís Simões, presidente do Sindicato dos Jornalistas. “Há uma degradação das condições de trabalho nas redações que, ainda por cima, têm cada vez menos pessoas.”

Na terça-feira, dia 12, o Global Media Group anunciou o processo de despedimento coletivo de 20 pessoas, incluindo a direção do Diário de Notícias. O “processo de reestruturação interna” é fundamentado “na complicadíssima situação financeira”, referiu a empresa em comunicado.

Nos últimos sete anos, 436 jornalistas deixaram a profissão. Se recuarmos mais um pouco, Portugal perdeu 1 218 jornalistas entre 2007 e 2014, período em que o número de carteiras profissionais baixou de 6 839 para 5 621, um decréscimo de 17,8%. “Somos essenciais para a democracia e temos de nos fazer ouvir”, nota Luís Simões. Os salários “que não crescem nem ao nível da inflação”, adianta, com “perdas de 40% do nosso rendimento em 20 anos”, com grande “pressão para a hiperprodutividade” e “níveis de burnout assustadores” levaram os jornalistas a dar um murro na mesa.

“Não se pode ganhar tão mal numa profissão” com as exigências do jornalismo, “temos muitos salários de mil euros e menos do que isso, sendo que a maior parte mora nos grandes centros urbanos”, onde os custos da habitação são muito altos, aponta ainda o presidente do sindicato.

“Sofrimento ético profundo”

Está “criada a tempestade perfeita no jornalismo”, comenta Miguel Paisana, investigador do OberCom – Observatório da Comunicação. O “modelo de negócio” está “em falência” e a alteração de “dinâmicas, fruto da entrada do digital”, criou um contexto “complexo”.

A paisagem “digital”, acrescenta, está dominada “pelas redes sociais e empresas de conteúdos” que aproveitam o trabalho feito pelos jornalistas. “Há uma saturação de informação vinda de todos os lados”, embora “não veja que haja um cansaço com o jornalismo”. Pelo contrário, “se não tratarmos bem os jornalistas haverá consequências para a sociedade”.

Esta greve “não é simplesmente uma queixa”, qualifica Roberto della Santa, cientista social e investigador do Observatório para as Condições de Vida e Trabalho, mas “uma situação de absoluto desespero”. “Como é que alguém pode estar a confrontar grandes grupos económicos ou sociais para fazer as suas peças, se nem o seu fim do mês [salário] tem como assegurado?”, pergunta.

O investigador cocoordenou, em 2022, o Inquérito Nacional às Condições de Vida e de Trabalho dos Jornalistas em Portugal, promovido pela Associação Portuguesa de Imprensa, a Casa da Imprensa e o Sindicato dos Jornalistas e realizado pela Universidade Nova de Lisboa.

As 866 respostas recebidas, no âmbito desse inquérito, revelam um cenário avassalador. Quase metade (48%) dos jornalistas portugueses tem níveis elevados de esgotamento e cerca de 18% apresentam valores de exaustão emocional que variam entre os níveis muito elevado e extremamente elevado. Cerca de 50% trabalham mais de 40 horas por semana e quase metade trabalha mais de dez horas semanais em períodos noturnos. Em relação à vida familiar, um terço dos inquiridos considerou que há um “desequilíbrio ruinoso” entre a vida pessoal e a profissional. Além disso, a média de filhos é de 1,04, abaixo da média nacional de 1,38 filhos por mulher. Della Santa realça que as “questões” mais importantes têm que ver com a “precariedade” e os “níveis de esgotamento”, mas, salienta também o tema do sentido de responsabilidade. “Existe um sofrimento ético profundo que provém da importância social da profissão. Surgem conflitos ou, pelo menos, potenciais contradições, entre aquilo que os jornalistas valorizam ou consideram um trabalho bem feito e aquilo que algumas direções determinam como prioritário e fundamental.”

No relatório do trabalho, elencam-se, igualmente, os motivos que levam o jornalismo a ser uma profissão geradora de stresse. A “corrida contra o tempo” e a “competição” entre os próprios jornalistas são condições “intrínsecas” da profissão. A necessidade permanente de se adaptarem a novas tecnologias também. Por outro lado, o “impacto psicológico” de relatar eventos em que os direitos humanos de outros (e também dos jornalistas) ou a “sua própria sobrevivência” podem estar em causa não deve ser “subestimado”. Os jornalistas “são expostos a um sem-número de acontecimentos” e processos, desde acidentes rodoviários até violentas manifestações políticas e sociais, roubos e assassínios, “situações que envolvem abuso de crianças ou idosos” e acontecimentos críticos, como desastres naturais com grandes perdas humanas. Os “riscos físicos, emocionais e psicológicos” estão em jogo em muitas dimensões. As exigências laborais a que os jornalistas estão sujeitos “são contínuas e o seu stresse ocupacional é intenso”.

Conteúdos roubados

O dia de greve será, também, assinalado por uma concentração de jornalistas em Coimbra, na Praça 8 de Maio (9h), no Porto, na Praça Humberto Delgado (12h), em Ponta Delgada, no Jardim Antero de Quental (12h), e em Lisboa, no Largo de Camões (18h), em que “também se faz um apelo à sociedade civil para estar presente”, diz Luís Simões.

Nem todos concordam com a paralisação ou com as suas premissas. “Greve contra o quê? Contra os patrões que não têm dinheiro para pagar mais? Penso que é totalmente desajustada na atual conjuntura”, afirma Octávio Ribeiro, jornalista e administrador da empresa proprietária do Correio da Manhã. Propõe antes que se “olhe para a origem dos riscos sérios”, como o “problema da cadeia de produção, impressão e distribuição da imprensa em papel”, notando que “já há concelhos onde não chegam jornais”. E ainda para o “maior de todos os riscos” que é a “canibalização que as grandes plataformas fazem dos conteúdos jornalísticos sem nada pagar por isso”.

O jornal norte-americano The New York Times, por exemplo, anunciou recentemente que iria pôr em tribunal a empresa que desenvolveu o ChatGPT (Inteligência Artificial) por terem sido usadas notícias suas no treino do chatbot sem que fossem pagos direitos de autor. “É uma luta de David contra Golias. O poder das plataformas é muito maior do que o dos média”, assinala Miguel Paisana.

O jornalismo atravessa um período conturbado, disso não restam dúvidas. A migração da imprensa escrita para o online não teve os resultados esperados. O primeiro problema, dizem os analistas, foi dar de borla a informação produzida. Construíram-se audiências que se desvaneceram quando se quis cobrar pelos conteúdos. “Grande parte dos jornais baixou as audiências na versão impressa, mas não teve uma subida significativa no digital”, recorda Arons de Carvalho, professor universitário e ex-secretário de Estado da Comunicação Social. No entanto, diz, “se não fosse a visibilidade dada pelo online, muitos jornais estariam a perder ainda mais”.

Octávio Ribeiro pede que o Estado “olhe para a situação da imprensa escrita” e que crie soluções para financiar a comunicação social. Para o jornalista, a greve devia ter “sido decidida por votação em todas as redações”. Luís Simões contrapõe que o “exercício do jornalismo se degradou de forma incrível”, há uma “exigência máxima para salários mínimos e isso não pode continuar”. Por isso, hoje, dia 14, os jornalistas estão em greve.

Retrato do jornalista

Qual o perfil dos profissionais portugueses

5 274
Titulares de Carteira Profissional
3 096 são homens (58%) e 2 178 são mulheres (42%)

45,5%
Percentagem de solteiros
39,4% são casados ou vivem em união de facto

3 552
Formação superior
67,3% dos jornalistas têm curso superior (licenciatura ou mestrado)

68,6%
Ligação profissional
3 623 (68,6%) trabalham por conta de outreme 1 078 em regime livre

2 057
Órgãosde informação
2 057 (39%) estão na imprensa escrita, 973 (18,4%) na televisão e 500 (9,4%) na rádio

€903 a €2 051
Rendimento
A Projeção Salarial de Referência, inscrita no Contrato Coletivo de Trabalho dos Jornalistas, varia entre €903 brutos para entrada na profissão e €2 051 para quem tem 40-42 anos de trabalho

Palavras-chave:

Mais na Visão

Mais Notícias

B&B Italia e Maxalto em Lisboa

B&B Italia e Maxalto em Lisboa

Nestes cinco hotéis pode ir de férias com o seu amigo patudo

Nestes cinco hotéis pode ir de férias com o seu amigo patudo

Solidão a longo prazo aumenta o risco de AVC, demonstra novo estudo

Solidão a longo prazo aumenta o risco de AVC, demonstra novo estudo

PSP e .PT assinam acordo para combater cibercrime

PSP e .PT assinam acordo para combater cibercrime

Quais as oportunidades na cadeia de valor da indústria espacial?

Quais as oportunidades na cadeia de valor da indústria espacial?

Mariana de “Casados à Primeira Vista” celebra 25 anos: 25 fotografias que mostram toda a sua beleza

Mariana de “Casados à Primeira Vista” celebra 25 anos: 25 fotografias que mostram toda a sua beleza

VISÃO Se7e: Passeios de barco e aquários para visitar em família 

VISÃO Se7e: Passeios de barco e aquários para visitar em família 

Mangualde fabrica primeiros elétricos

Mangualde fabrica primeiros elétricos "made in" Portugal e vai bater recorde de produção

Quem tinha mais poderes antes do 25 de Abril: o Presidente da República ou o Presidente do Conselho?

Quem tinha mais poderes antes do 25 de Abril: o Presidente da República ou o Presidente do Conselho?

Biovance: primeiro fundo português de investimento em biotecnologia arranca com €51 milhões

Biovance: primeiro fundo português de investimento em biotecnologia arranca com €51 milhões

ChatGPT chega a todos os Peugeot equipados com comandos de voz

ChatGPT chega a todos os Peugeot equipados com comandos de voz

Sabe o que são os padrões obscuros? Conheça a técnica dos sites e apps para manipular os utilizadores

Sabe o que são os padrões obscuros? Conheça a técnica dos sites e apps para manipular os utilizadores

A meio caminho entre o brioche e o folhado, assim são os protagonistas da Chez Croissant

A meio caminho entre o brioche e o folhado, assim são os protagonistas da Chez Croissant

12 novas casas de banho funcionais, confortáveis e atraentes

12 novas casas de banho funcionais, confortáveis e atraentes

Quis Saber Quem Sou: Será que

Quis Saber Quem Sou: Será que "ainda somos os mesmos e vivemos como os nossos pais?"

Estes cortes dão imediatamente mais corpo ao cabelo fino

Estes cortes dão imediatamente mais corpo ao cabelo fino

Letizia volta a usar sapatos de salto

Letizia volta a usar sapatos de salto

5 acessórios que estão em alta este verão

5 acessórios que estão em alta este verão

12 novas casas de banho funcionais, confortáveis e atraentes

12 novas casas de banho funcionais, confortáveis e atraentes

I Congresso Internacional de Lusitanistas

I Congresso Internacional de Lusitanistas

Juros altos por mais tempo?

Juros altos por mais tempo?

VOLT Live: vem aí um apoio europeu para a compra de veículos elétricos?

VOLT Live: vem aí um apoio europeu para a compra de veículos elétricos?

Pequeno satélite português já está no Espaço

Pequeno satélite português já está no Espaço

As sandálias que são um must-have de qualquer armário de verão

As sandálias que são um must-have de qualquer armário de verão

Cidades resilientes: a biodiversidade enquanto imperativo na era da crise climática

Cidades resilientes: a biodiversidade enquanto imperativo na era da crise climática

Adélia Prado - Uma voz entre o quotidiano e o transcendente

Adélia Prado - Uma voz entre o quotidiano e o transcendente

Curtas Vila do Conde: Um festival em grande

Curtas Vila do Conde: Um festival em grande

Os heróis portugueses que vão às Olimpíadas

Os heróis portugueses que vão às Olimpíadas

Um dos sintomas de Covid-19 mais desvalorizado mas a que é preciso estar atento

Um dos sintomas de Covid-19 mais desvalorizado mas a que é preciso estar atento

Famosos divertem-se no 1.º dia do NOS Alive

Famosos divertem-se no 1.º dia do NOS Alive

As escolhas de Letizia e Sofia que não ofuscam Leonor

As escolhas de Letizia e Sofia que não ofuscam Leonor

Vencedores e vencidos do 25 de Abril na VISÃO História

Vencedores e vencidos do 25 de Abril na VISÃO História

Exposição solar: O problema dos UVA

Exposição solar: O problema dos UVA

Cláudia Vieira fala-nos do seu visual festivaleiro

Cláudia Vieira fala-nos do seu visual festivaleiro

Portugal e a Lei de Restauro da Natureza

Portugal e a Lei de Restauro da Natureza

Cinema: Mais um verão com Ingmar Bergman

Cinema: Mais um verão com Ingmar Bergman

O futuro começou esta noite. Como foi preparado o 25 de Abril

O futuro começou esta noite. Como foi preparado o 25 de Abril

Em “Senhora do Mar”: Joana faz pedido desesperado após adeus a Manuel

Em “Senhora do Mar”: Joana faz pedido desesperado após adeus a Manuel

"Cada vez que olharmos para uma tela do Cargaleiro, pensamos que ele ainda fala connosco"

Um novo estúdio em Lisboa para jantares, showcookings, apresentações de marcas, todo decorado em português

Um novo estúdio em Lisboa para jantares, showcookings, apresentações de marcas, todo decorado em português

Em “A Promessa”: Laura emociona-se ao ver Tomás a ser internado à força

Em “A Promessa”: Laura emociona-se ao ver Tomás a ser internado à força

Tecnologia: A união faz a transição

Tecnologia: A união faz a transição

Investigadores da Universidade de Lisboa recebem apoio para estudar doenças raras em Portugal

Investigadores da Universidade de Lisboa recebem apoio para estudar doenças raras em Portugal

Princesa Leonor já está em Portugal

Princesa Leonor já está em Portugal

VISÃO Júnior de junho de 2024

VISÃO Júnior de junho de 2024

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites