“Andamos a envenenar-nos há muito mais tempo do que imaginávamos”

“Andamos a envenenar-nos há muito mais tempo do que imaginávamos”

“Por que motivo as pessoas precisam de comer fruta que veio do outro lado do mundo? Porque estamos em janeiro e ‘apetece-me comer uvas?’ Por favor, comam laranjas! É um sacrifício assim tão grande?” O pedido é feito por Alexander More, investigador, professor em Harvard e no Instituto das Alterações Climáticas da Universidade do Maine, em que lidera um projeto sobre o impacto das alterações ambientais na saúde humana, no ecossistema e na economia. Para ele, é preciso explicar às pessoas o impacto de escolhas tão simples como estas do dia a dia no ambiente, por causa das emissões de CO2 que implicam.

More é também um dos responsáveis pela análise de um núcleo de gelo de 73 metros de comprimento, retirado do glaciar Colle Gnifetti, perto da fronteira entre a Suíça e a Itália, em 2015. “É diferente de todas as outras amostras [provenientes dos polos] porque foi retirado do local que foi o centro da civilização nos últimos dois mil anos”, explica. “Conseguimos perceber como foram as estações, os meses em cada um desses anos. Conseguimos até detetar uma tempestade.” Depois, “é preciso cruzar esses dados com fontes históricas”, o que faz em Harvard, onde gere a maior biblioteca digital do mundo dedicada ao clima. “Só fazendo essa ligação se consegue entender o que realmente aconteceu.”

E avança com um exemplo tão claro quanto perturbador: “Sempre se pensou que o chumbo existia na atmosfera, mas descobrimos, num período da Idade Média, que esses níveis ficaram tão baixos que praticamente não eram detetáveis. Esse período coincide com a peste negra, que dizimou boa parte da população na Europa e levou ao encerramento de um grande número de minas.” Ou seja, percebemos como os efeitos da nossa atividade sobre o clima são bem anteriores à Revolução Industrial e como, afinal, “andamos a envenenar-nos há muito mais tempo do que imaginávamos.”

Alexander More é investigador, professor em Harvard e no Instituto das Alterações Climáticas da Universidade do Maine

A maioria das pessoas não quer realmente saber dos outros, mas preocupa-se quando percebe como as alterações climáticas as afetam no que mais lhes importa. Só assim vamos conseguir mudar mentalidades

Alexander more

Para Alexander More, o grande desafio é não só estudar, analisar e quantificar, mas pegar nesses dados e criar uma narrativa que todos percebam, virada para a ação. “Não sou fã desta administração norte-americana, mas independentemente disso precisamos de tirar a política da luta climática, que deve ser assumida por todos, sem interferência dos políticos.” E, para tal, o foco da comunicação deve centrar-se em dois fatores cruciais: “health and wealth”, como costuma resumir, ou seja, na saúde e na riqueza. “A maioria das pessoas não quer realmente saber dos outros, mas preocupa-se quando percebe como as alterações climáticas as afetam no que mais lhes importa. Só assim vamos conseguir mudar mentalidades.”

E há outra maneira, mais singela: “Levar as pessoas a redescobrirem a Natureza.” “Portugal é uma nação marítima, a vossa História tem tudo que ver com o oceano e com as explorações, e não há nada mais fácil do que pegar numa máscara de mergulho e partir à descoberta de um novo mundo. Para mim, que cresci no Sul de Itália, ao pé do mar, e até aos 17 anos vivi entre Itália e Grécia e sempre fiz mergulho, isso é evidente. Se ligarmos estas duas ideias – comunhão com a Natureza e perceção do mal que lhe estamos a fazer –, as mentalidades mudam. Tenho visto isso a acontecer por todo o lado.”

Não precisa obviamente de ser mergulho, pode ser outra atividade, mas More tinha outra analogia subaquática – que também é uma crítica a todos arautos da desgraça: “Se entrarmos em pânico com as alterações climáticas, afogamo-nos. Consegue imaginar mover uma cidade como Nova Iorque, com dez milhões de pessoas para o interior? Porque é isso que terá de acontecer se não fizermos nada…” É preciso informar e agir – e quanto mais cedo, melhor. Para não ser tarde demais.

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba aqui mais sobre esta missão comum.

Relacionados

Mais na Visão

Mais Notícias

A importância da Formação de Executivos

A importância da Formação de Executivos

Girl Talk: Vamos rebentar as nossas bolhas?

Girl Talk: Vamos rebentar as nossas bolhas?

Volta a Portugal com as receitas da Marlene Vieira

Volta a Portugal com as receitas da Marlene Vieira

Sede da PIDE, o último bastião do Estado Novo

Sede da PIDE, o último bastião do Estado Novo

JL 1400

JL 1400

Alpine A290: elétrico, tecnológico… e endiabrado

Alpine A290: elétrico, tecnológico… e endiabrado

Os ténis fabricados no Porto de que a rainha Letizia precisa depois da lesão no pé

Os ténis fabricados no Porto de que a rainha Letizia precisa depois da lesão no pé

Inster será o 100% elétrico mais acessível da Hyundai

Inster será o 100% elétrico mais acessível da Hyundai

25 peças para receber a primavera em casa

25 peças para receber a primavera em casa

Quem tinha mais poderes antes do 25 de Abril: o Presidente da República ou o Presidente do Conselho?

Quem tinha mais poderes antes do 25 de Abril: o Presidente da República ou o Presidente do Conselho?

João Paulo Esteves da Silva - O piano e todas as margens

João Paulo Esteves da Silva - O piano e todas as margens

Vencedores do passatempo 'Gru - O Maldisposto 4'

Vencedores do passatempo 'Gru - O Maldisposto 4'

Salgueiro Maia, o herói a contragosto

Salgueiro Maia, o herói a contragosto

"O Homem dos Teus Sonhos" - ou quando Nicholas Cage não nos sai da cabeça

O regresso de “House of the Dragon”: Nesta guerra de homens primários, quem lidera são as mulheres

O regresso de “House of the Dragon”: Nesta guerra de homens primários, quem lidera são as mulheres

Como as poeiras do Saara podem ajudar a impedir furacões

Como as poeiras do Saara podem ajudar a impedir furacões

Vídeo: A festa final de 'Miúdos a Votos' na Gulbenkian

Vídeo: A festa final de 'Miúdos a Votos' na Gulbenkian

Mariana arrasa Daniel após “traição” em “Casados à Primeira Vista”

Mariana arrasa Daniel após “traição” em “Casados à Primeira Vista”

Os 500 anos de Camões

Os 500 anos de Camões

Novo estudo científico revela que o cérebro tenta prever o futuro enquanto se encontra em repouso

Novo estudo científico revela que o cérebro tenta prever o futuro enquanto se encontra em repouso

10

10 "looks" de Letizia com ténis

Vídeo: Vê aqui o espetáculo de 'Miúdos a Votos' 2024

Vídeo: Vê aqui o espetáculo de 'Miúdos a Votos' 2024

12 lojas de roupa em segunda mão para conhecer já

12 lojas de roupa em segunda mão para conhecer já

David e Ivo emitem comunicado após suspeita de “mentira” em “Casados À Primeira Vista”

David e Ivo emitem comunicado após suspeita de “mentira” em “Casados À Primeira Vista”

Requintado jantar assinala inauguração da nova exposição de Joana Vasconcelos na Boutique Dior, em Lisboa

Requintado jantar assinala inauguração da nova exposição de Joana Vasconcelos na Boutique Dior, em Lisboa

Alexandra e Flávio de

Alexandra e Flávio de "Casados à Primeira Vista" juntos nos Santos Populares: "Viemos namorar"

10

10 "looks" de Letizia com ténis

Nikon Z6 III anunciada com sensor de imagem inédito

Nikon Z6 III anunciada com sensor de imagem inédito

Num dos próximos quatro anos, o planeta deverá mesmo exceder 1,5ºC de aumento de temperatura

Num dos próximos quatro anos, o planeta deverá mesmo exceder 1,5ºC de aumento de temperatura

Famosos divertem-se no Rock in Rio 2024

Famosos divertem-se no Rock in Rio 2024

Carros elétricos chineses deverão ficar mais caros

Carros elétricos chineses deverão ficar mais caros

Será que já tínhamos visto o vestido que Kate usou no Trooping the Colour?

Será que já tínhamos visto o vestido que Kate usou no Trooping the Colour?

A La Redoute Intérieurs apresentou a sua nova coleção em Paris

A La Redoute Intérieurs apresentou a sua nova coleção em Paris

3 questões que ajudam a perceber se ainda sente amor pelo seu parceiro

3 questões que ajudam a perceber se ainda sente amor pelo seu parceiro

30 vestidos leves e frescos para um verão divertido

30 vestidos leves e frescos para um verão divertido

Adoçante comum presente em pastilhas elásticas e até pastas dentífricas associado a duplicação do risco de AVC e enfarte

Adoçante comum presente em pastilhas elásticas e até pastas dentífricas associado a duplicação do risco de AVC e enfarte

Zona: Três mitos sobre esta doença que pode ser incapacitante

Zona: Três mitos sobre esta doença que pode ser incapacitante

Guia de essenciais de viagem para a sua pele

Guia de essenciais de viagem para a sua pele

Aromas de verão para a casa

Aromas de verão para a casa

Os nossos vinhos são os melhores do mundo

Os nossos vinhos são os melhores do mundo

Quis Saber Quem Sou: Será que

Quis Saber Quem Sou: Será que "ainda somos os mesmos e vivemos como os nossos pais?"

Onde ficar em Lisboa: Torel Palace

Onde ficar em Lisboa: Torel Palace

"O que é verdadeiramente desafiante é as marcas saberem o que leva as pessoas às lojas e o que funciona online". Leah Johns em entrevista

inCentea: “Distinguimo-nos pela capacidade de integrar a IA com sistemas existentes”

inCentea: “Distinguimo-nos pela capacidade de integrar a IA com sistemas existentes”

NATO investe mil milhões de euros em robótica, Inteligência Artificial e fábricas no Espaço

NATO investe mil milhões de euros em robótica, Inteligência Artificial e fábricas no Espaço

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites