Na primeira pessoa: “Não é normal um cigano entrar na universidade. É como ver um cão a andar de bicicleta. Na comunidade, muitos deixaram de me ver como tal”

Foto: Marcos Borga

Na primeira pessoa: “Não é normal um cigano entrar na universidade. É como ver um cão a andar de bicicleta. Na comunidade, muitos deixaram de me ver como tal”

Desde criança, os meus melhores amigos são os livros. O meu pai tinha enciclopédias em casa e, antes de entrar no primeiro ciclo, eu já sabia ler e escrever algumas palavras. Ao crescer como filho único de uma família pobre, numa pequena aldeia do Interior chamada Zebreira, perto de Idanha-a-Nova, as leituras foram permanecendo como companhia e, talvez por isso, tirava boas notas na escola.

Assim continuei até ao 11º ano, mas nunca me passou pela cabeça seguir os estudos. Afinal, sou cigano, e os ciganos trabalham na venda ou no campo. Vivia convencido de que haveria de ser esse o meu futuro também. Estudar era perda de tempo, uma fantasia de criança a sonhar que seria um dia super-herói. No início do 12º ano, apesar de nunca ter chumbado e do apoio dos professores, desisti da escola.

Durante toda a vida, os meus pais viveram do trabalho de cigano, em mercados e feiras, a vender calçado. Como a maioria das famílias na zona, também chegaram a trabalhar nas plantações de tabaco, mas esse sustento acabou há mais de 15 anos. A região empobreceu ainda mais.

Eles nunca deixaram de insistir para eu completar, pelo menos, o ensino secundário. Uma vez que estive desocupado, durante esse ano sabático, acabei por ceder, mais para deixar de os ouvir. Completei o 12º ano, com média de 17,5 valores, e eles continuaram a pressionar-me para tentar a universidade. Sem grande entusiasmo, acedi novamente. Sempre gostei de Filosofia e Economia, mas escolhi seguir Gestão, no Politécnico de Castelo Branco, mais perto de casa.

Não é normal um cigano entrar na universidade. É como ver um cão a andar de bicicleta. Dentro da comunidade, existe o medo da perda de identidade, o que não faz muito sentido. Sinto-me cigano, os meus antepassados são ciganos, mas muitos deixaram de me ver como tal. “Quem? O Natanael? Esse não é cigano”, passámos a ouvir.

Era ostracizado, os meus pais revoltavam-se, mas essa visão começou a mudar a partir do momento em que ganhei notoriedade na comunicação social. Foi quase uma mudança de 180 graus de um momento para o outro. Passei a ser mais respeitado e admirado, como se fosse algo inalcançável, estilo Harry Potter. Até me chamam para dar palestras, sobretudo em escolas e a jovens de etnia cigana.

“Tiveram medo de me contratar”

A nossa comunidade tem um índice de abandono escolar muito alto, e isso tem de mudar. Temos de fazer um esforço para sermos mais cultos e integrados. Compreendo que são mais de 500 anos de perseguição, mas racismo e xenofobia vão existir sempre. Precisamos de abrir a mente e sair da nossa bolha, fazer a nossa parte para que esse ódio seja mitigado.

Não nego que temos problemas, mas também culpo o Estado. Aquelas ajudas diretas, muitas vezes, parecem traduzir a mensagem: “Vai ali para o teu bairro social, recebe a tua esmola e cala-te.” Isso não é bom, porque, de repente, aparecem pessoas a quererem criar uma espécie de guetos de Varsóvia, como aconteceu com os judeus. Chega-se a um ponto em que nem um ser humano inferior somos. Não somos sequer humanos.

Nunca me vitimizo, porque sou uma pessoa normal, e toda a gente, em algum momento, vai encontrar-se numa situação de desvantagem, a não ser que seja filho do Elon Musk. É importante termos essa mentalidade de seguir em frente. No entanto, ao terminar o meu curso de Gestão, comecei a ficar frustrado por não conseguir arranjar um estágio profissional, enquanto colegas meus receberam propostas ainda antes de obterem a licenciatura.

Fui a inúmeras entrevistas e enviei muitos currículos, mas ninguém queria dar-me uma oportunidade. Uma vez, disseram-me na cara que não me queriam por causa da minha etnia. Num banco, quando eu ia a sair da sala de reuniões, ouvi-os a falarem bem de mim até que disseram: “Mas é cigano.” Noutra empresa de Castelo Branco, uma colega de curso que lá trabalhava contou-me que tinham gostado de mim, mas tinham medo de me contratar porque eu teria de mexer em dinheiro.

Não me deixei ir abaixo. Havia a possibilidade de, apenas com mais um ano de estudos, concluir uma segunda licenciatura, em Gestão de Recursos Humanos. Como não tinha conseguido nada no mercado de trabalho, avancei. Foi nesta área que finalmente encontrei trabalho no Centro de Apoio Tecnológico Agroalimentar, em Castelo Branco. No próximo mês, termino o ano de estágio profissional e já estou com alguma ansiedade para saber se irei continuar.

A nossa comunidade tem um índice de abandono escolar muito alto, e isso tem de mudar. Compreendo que são mais de 500 anos de perseguição, mas racismo e xenofobia vão existir sempre. Precisamos de abrir a mente e sair da nossa bolha, fazer a nossa parte para que esse ódio seja mitigado

Entretanto, escrevi um livro (Rumo, lançado em abril de 2023, pela Astrolábio Edições) e decidi prosseguir com os estudos. Estou a tirar o mestrado em Gestão de Empresas e, depois, quero fazer um doutoramento. O meu maior sonho é ser, um dia, professor universitário.

O livro surgiu de um encontro fortuito com uma ex-professora, numa das minhas viagens até à Biblioteca Municipal de Idanha-a-Nova. Ela sugeriu-me a ideia e, logo nesse dia, estava eu desempregado, atirei-me de corpo e alma ao desafio.

Os livros ensinaram-me que a minha vida não pertence a ninguém. Nietzsche inspirou-me a ser um espírito livre. Que diferença faz, na minha condição de cigano, eu estar a trabalhar num escritório ou numa feira? Nenhuma. Até é melhor, porque estou mais confortável, sejamos sinceros. Não quero ficar preso às normas. E, sim, sinto-me dono e senhor do meu destino, como diz o poema de William Henley.

Outro conceito interessante, que me ajudou muito, é o do estoicismo. A ideia de Epicteto de que a nossa vida está dividida entre os 50% que nós controlamos e os 50% que nós não controlamos. Não vale a pena preocuparmo-nos com os segundos, temos é de dar o nosso melhor em relação aos primeiros. Recentemente, entrei para a Ordem dos Economistas, e toda a família se alegrou. A vida vai-nos dando pancada, e a forma como nos levantamos é que define quem nós somos.

Depoimento recolhido por Rui Antunes

Palavras-chave:

Mais na Visão

Mais Notícias

Os lugares desta História, com Isabel Stilwell: Filipe I de Portugal, por fim

Os lugares desta História, com Isabel Stilwell: Filipe I de Portugal, por fim

J. L. Barreto Guimarães, Poesia para médicos

J. L. Barreto Guimarães, Poesia para médicos

Passo a passo para pedir baixa na aplicação do SNS24

Passo a passo para pedir baixa na aplicação do SNS24

Roupa em segunda mão: As novas lojas de Lisboa e do Porto

Roupa em segunda mão: As novas lojas de Lisboa e do Porto

Apple descarta projeto de desenvolvimento de carro elétrico

Apple descarta projeto de desenvolvimento de carro elétrico

Em “Cacau”: Sal destrói festa de apresentação do chocolate de Cacau

Em “Cacau”: Sal destrói festa de apresentação do chocolate de Cacau

Maria Teresa e Stéphanie do Luxemburgo exibem tiaras deslumbrantes

Maria Teresa e Stéphanie do Luxemburgo exibem tiaras deslumbrantes

Conforto e muita luz, num apartamento em São Paulo, Brasil

Conforto e muita luz, num apartamento em São Paulo, Brasil

Os lugares desta História, com Isabel Stilwell: Elvas, capital do Império onde o sol nunca se põe

Os lugares desta História, com Isabel Stilwell: Elvas, capital do Império onde o sol nunca se põe

Na Escola Básica do Ave canta-se 'Eu gosto muito de ler'

Na Escola Básica do Ave canta-se 'Eu gosto muito de ler'

Exame Informática nº 344, março

Exame Informática nº 344, março

Desporto: 20 artigos para suar com estilo

Desporto: 20 artigos para suar com estilo

Venha conhecer o BYD Seal U

Venha conhecer o BYD Seal U

Tempos de Antena ‘Miúdos a Votos’: ‘Gravity Falls - Diário 3’

Tempos de Antena ‘Miúdos a Votos’: ‘Gravity Falls - Diário 3’

Quando a cantiga foi uma arma

Quando a cantiga foi uma arma

Maria Cerqueira Gomes vive experiência enriquecedora na Suíça

Maria Cerqueira Gomes vive experiência enriquecedora na Suíça

Aos 53 anos, Naomi Campbell é rainha da

Aos 53 anos, Naomi Campbell é rainha da "passerelle" em Milão

O Vento Assobiando nas Gruas, entrevista com Jeanne Waltz

O Vento Assobiando nas Gruas, entrevista com Jeanne Waltz

Miranda Sarmento: “Não é difícil pôr a economia portuguesa a crescer acima de 3%”

Miranda Sarmento: “Não é difícil pôr a economia portuguesa a crescer acima de 3%”

Citroën ë-C3: O elétrico que custa 23.300 euros chega em junho

Citroën ë-C3: O elétrico que custa 23.300 euros chega em junho

Cristina Ferreira partilha mais fotos com o namorado e fãs reagem: “O amor faz-lhe bem”

Cristina Ferreira partilha mais fotos com o namorado e fãs reagem: “O amor faz-lhe bem”

O avanço da sustentabilidade ambiental nas empresas

O avanço da sustentabilidade ambiental nas empresas

A transformação no segmento do Renting & Frotas

A transformação no segmento do Renting & Frotas

BE diz que Montenegro tem precisado de esconder candidatos da AD com ideias do Chega

BE diz que Montenegro tem precisado de esconder candidatos da AD com ideias do Chega

6 ideias para este fim de semana no Porto

6 ideias para este fim de semana no Porto

Esplanada, comida asiática e preços democráticos no Street Chow

Esplanada, comida asiática e preços democráticos no Street Chow

Celebridades rendem-se às transparências no desfile de Saint Laurent

Celebridades rendem-se às transparências no desfile de Saint Laurent

Investigadores descobrem nova ligação entre água e a formação de planetas

Investigadores descobrem nova ligação entre água e a formação de planetas

Palácio de Kensington volta a pronunciar-se sobre a doença de Kate

Palácio de Kensington volta a pronunciar-se sobre a doença de Kate

A determinação transparente de Saint Laurent em Paris

A determinação transparente de Saint Laurent em Paris

Bruxelas autoriza ajudas estatais de 350 ME de Portugal para equipamentos 'verdes'

Bruxelas autoriza ajudas estatais de 350 ME de Portugal para equipamentos 'verdes'

Final de “Flor Sem Tempo”: Diana mata Luís Maria e Vasco salva Catarina

Final de “Flor Sem Tempo”: Diana mata Luís Maria e Vasco salva Catarina

Renováveis abasteceram 88% do consumo de eletricidade em fevereiro - REN

Renováveis abasteceram 88% do consumo de eletricidade em fevereiro - REN

Os Incoerentes: a história de movimento artístico à frente do seu tempo

Os Incoerentes: a história de movimento artístico à frente do seu tempo

Famalicão gastou 500 mil euros na destruição de 8 mil ninhos de vespa asiática

Famalicão gastou 500 mil euros na destruição de 8 mil ninhos de vespa asiática

Artur Jorge: o exercício físico da poesia

Artur Jorge: o exercício físico da poesia

Caras Decoração de fevereiro: tranquilidade e aconchego em primeiro lugar

Caras Decoração de fevereiro: tranquilidade e aconchego em primeiro lugar

Celebridades assistem ao regresso da Dior aos anos 60

Celebridades assistem ao regresso da Dior aos anos 60

"Mais suave e mais eficaz": Será esta a alternativa natural ao retinol?

Como organizar a votação

Como organizar a votação

O algoritmo do amor

O algoritmo do amor

Vítor Matos:

Vítor Matos: "Com a segunda Estrela Michelin vou ter de repensar a minha vida”

Dior e o revivalismo da década de 1960 na passarela

Dior e o revivalismo da década de 1960 na passarela

A Interdecoração está de volta à Exponor

A Interdecoração está de volta à Exponor

Adesão à greve no Hospital de Cascais ronda os 80%

Adesão à greve no Hospital de Cascais ronda os 80%

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites