“Tudo parece descrever a nossa espécie como a mais estúpida que alguma vez apareceu no nosso planeta”

“Tudo parece descrever a nossa espécie como a mais estúpida que alguma vez apareceu no nosso planeta”

O Homem é dependente das plantas, e só as negligencia porque se habituou a olhar o mundo do ponto de vista exclusivamente humano, desvirtuado por uma “cegueira vegeta”. Este é um dos pontos que Stefano Mancuso, professor da Universidade de Florença, sublinhou na sessão de abertura do VISÃO FEST Verde.

“Se as plantas desaparecessem do planeta amanhã por algum evento catastrófico que não vou desenvolver, a temperatura subiria a um nível tal que a água evaporaria e, dentro de pouco tempo, a Terra apareceria como uma massa de planeta estéril, como Mercúrio ou Vénus”, explica Stefano Mancuso. “De um ponto de vista quantitativo, a vida deste planeta é uma vida verde. Nós, animais, somos dependentes, completamente dependentes das plantas. Tudo orbita em torno da vida vegetal. Isto é algo que deveríamos compreender, algo que deveríamos ter aprendido nas nossas escolas”. 

“Imagine se eu tentasse contar-lhe uma história sobre Lisboa sem lisboetas. É impossível. Ou uma história sobre Roma sem os romanos. É a forma como estamos a agir, quando contamos a história do nosso planeta. Contamos a nossa própria história. E cada história que não tenha a planta como personagem principal está errada.” E porque não somos capazes de compreender a importância da planta para o nosso planeta?

“Existe um tipo de preconceito cognitivo no nosso cérebro que se chamada de cegueira vegetal e que nos incapacita de ver o verde que nos rodeia. É impossível imaginar que somos incapazes de compreender que a totalidade do nosso planeta é feita por planta. Portanto, somos realmente cegos por plantas. Isto é algo que provavelmente está ligado à maneira como o nosso cérebro se defende de uma enorme quantidade de dados vindos de uma planta, por isso estamos no curso da nossa evolução.” A ideia é simples: aprendemos como evoluir, como filtrar todos estes dados verdes que possam ser úteis para a nossa sobrevivência e focarmo-nos mais nos animais e humanos, que podem ser mais perigosos para nós. “Assim, provavelmente no início da nossa evolução, para evitar e não olhar para as plantas. Filtrar estes dados verdes era uma vantagem, mas agora não olhar para as plantas, não ser capaz de ver as plantas é uma desvantagem.” O segundo problema é o facto de que as plantas serem tão diferentes de nós. “Por isso, somos incapazes de ver plantas porque somos incapazes de as compreender. Somos apenas capazes de ver o que é realmente semelhante a nós”, elabora Mancuso.

Uma das ideias feitas dos humanos é que as plantas são incapazes de resolver problemas. Mancuso discorda. “Nós, animais, estamos a dizer que somos capazes de resolver problemas quando, na realidade, o que estamos a fazer é evitá-los. Por isso, usamos o movimento para nos afastarmos, e normalmente dizemos que resolvemos o problema quando, pelo contrário, apenas o evitamos. Para as plantas isto é completamente diferente. As plantas não são capazes de evitar problemas. Se não houver água, se tiverem de encontrar nutrientes no solo, se tiverem de se reproduzir, se tiverem de comunicar, para existirem as plantas têm de resolver problemas sem se moverem. De certo modo as plantas são muito mais inteligentes do que os animais porque se definirmos inteligência como a capacidade de resolver problemas, o que eu diria ser uma definição muito boa, muito inclusiva de todos os organismos, nesse sentido as plantas são muito melhores do que nós porque são realmente capazes de resolver problemas, ao passo que os animais são na sua maioria capazes de os evitar.”

Outra coisa que nos distingue é a nossa arquitetura muito “primitiva e antiga”. “Somos constituídos por uma cabeça, com um cérebro que é a pirâmide e governa hierarquicamente um ou dois órgãos especializados em funções específicas. Por isso respiramos com dois pulmões, comemos com um estômago, vemos com dois olhos. Esta é a forma como somos feitos e tudo o que produzimos, a nossa história foi uma reprodução da nossa arquitetura. Todas as nossas sociedades, as nossas empresas, as nossas universidades, os nossos jornais são feitos da mesma forma que nós. A nossa cabeça governa funções específicas. Grupos específicos que realizam funções específicas. Esta não é uma boa arquitetura, a nossa principal vantagem é a capacidade de produzir respostas rápidas.”

Agora, vamos olhar atentamente para as plantas. “Porque é que as plantas não têm dois pulmões, um cérebro, um estômago? Porque são incapazes de respirar, de ver e de pensar. Não. A razão pela qual as plantas não têm um ou dois órgãos para cada função é porque ter apenas um ou dois órgãos capazes de realizar determinada função é um ponto fraco. E isto é algo que todos sabemos, basta que um dos nossos órgãos funcione mal para que, no final, toda a organização do corpo humano colapse”, continua.

“A planta tem uma organização muito diferente, feita por uma organização difusa e descentralizada. As plantas e os animais deste ponto de vista são o oposto um do outro. Enquanto nós animais concentramos funções essenciais a um ou dois órgãos, as plantas dividem a mesma função por todo o seu corpo. Por outras palavras, as plantas são capazes de ver com todo o seu corpo, são capazes de ouvir com todo o seu corpo, são capazes de respirar com todo o seu corpo, são capazes de pensar, de comunicar, de se defender com o seu próprio corpo e esta é uma forma revolucionária de organizar o seu corpo”. Portanto, segundo Stefano Mancuso, “é tudo muito mais sólido, muito mais robusto, muito mais resistente”.

“É possível remover até 80% do corpo de uma planta sem a matar. Isto é suficiente, é apenas o começo, mas é suficiente para vos explicar como somos diferentes dos animais.”

Uma das coisas que o homem se habituou a acreditar é que o seu cérebro desenvolvido é uma vantagem. “Todas as pessoas que estão a ouvir a minha palestra estão convencidas de que somos muito melhores do que quaisquer outros animais. Para não falar de qualquer outra planta. E porquê? Porque temos este grande cérebro que é algo que é diferente. Porque pensamos que o nosso cérebro é único, que é algo que não partilhamos com nenhum outro ser vivo. Com o nosso grande cérebro fomos capazes de realizar feitos inacreditáveis. Conseguimos imaginar a teoria da relatividade. Conseguimos rezar na Capela Sistina. Conseguimos escrever a Divina Comédia ou os Irmãos Karamazov. Fomos capazes de realizar feitos espetaculares e isto fez-nos pensar em nós próprios como a melhor espécie do planeta”.

Mas esta ideia necessita de comprovação. “O objetivo primordial da vida é a reprodução da espécie. A nossa espécie sábia tem apenas 300 000 anos de idade. A vida média de uma espécie viva no nosso planeta é de cinco milhões de anos. Por outras palavras, antes de saber se o nosso cérebro é realmente uma vantagem e não uma desvantagem na evolução, precisamos de esperar mais 4 milhões e 700 000 anos. Se conseguirmos estar aqui, como espécie, durante mais 4 milhões e 700 000 anos, isto significaria que o nosso cérebro não está a afetar completamente a nossa capacidade de sobrevivência.”

O problema está aqui: será que vamos conseguir sobreviver tanto tempo, com toda a destruição que estamos a infligir no nosso habitat? “Parece muito improvável que pudéssemos sobreviver durante tanto tempo se pensarmos que tudo o que fizemos neste planeta Terra foi feito nos últimos 300 000 anos.” Ainda assim, Mancuso está otimista: “tudo parece descrever a nossa espécie como a espécie mais estúpida que alguma vez apareceu no nosso planeta. Mas acredito que o nosso grande cérebro é, na verdade, uma vantagem. É uma ferramenta extraordinária e que estamos a usar essa ferramenta da uma forma estúpida, porque somos uma das espécies mais jovens. Porque somos como os bebés. Quando se põe uma ferramenta na mão dos bebés, eles tentam, no início, destruir a casa. Só depois de crescerem vão ser capazes de construir casas. Penso que é isto que nos está a acontecer. Espero que dentro de algum tempo compreendamos que, com o mesmo cérebro, com a mesma ferramenta, possamos construir outras casas.”

ASSISTA AQUI À EMISSÃO EM DIRETO 

Saiba mais sobre o VISÃO FEST VERDE aqui.

A bp está a compensar as emissões de carbono deste evento. Saiba mais em bp.pt

Palavras-chave:

Mais na Visão

Mais Notícias

Num dos próximos quatro anos, o planeta deverá mesmo exceder 1,5ºC de aumento de temperatura

Num dos próximos quatro anos, o planeta deverá mesmo exceder 1,5ºC de aumento de temperatura

Vídeo: A festa final de 'Miúdos a Votos' na Gulbenkian

Vídeo: A festa final de 'Miúdos a Votos' na Gulbenkian

Inster será o 100% elétrico mais acessível da Hyundai

Inster será o 100% elétrico mais acessível da Hyundai

Blooming: Na peça de Marco Martins, questiona-se o futuro com jovens institucionalizados

Blooming: Na peça de Marco Martins, questiona-se o futuro com jovens institucionalizados

Os nomes estranhos das fobias ainda mais estranhas

Os nomes estranhos das fobias ainda mais estranhas

Há mar e mar, há ser e há proclamar

Há mar e mar, há ser e há proclamar

Hyundai Kauai EV em teste: Mais e melhor

Hyundai Kauai EV em teste: Mais e melhor

Rui Sanches: “Os fantasmas também têm corpos”

Rui Sanches: “Os fantasmas também têm corpos”

Portugal esgota hoje os recursos deste ano e começa a usar os de 2025

Portugal esgota hoje os recursos deste ano e começa a usar os de 2025

Moda: 20 cestas para usar no dia a dia

Moda: 20 cestas para usar no dia a dia

Siza Vieira: As empresas estão a aproveitar o

Siza Vieira: As empresas estão a aproveitar o "bom momento" e Portugal vai continuar a crescer acima da média europeia

Contracetivo masculino em gel com bons resultados nos ensaios clínicos

Contracetivo masculino em gel com bons resultados nos ensaios clínicos

Sede da PIDE, o último bastião do Estado Novo

Sede da PIDE, o último bastião do Estado Novo

Veja aqui as melhores imagens da conferência

Veja aqui as melhores imagens da conferência "Empresas: Nascer & Crescer 2024"

Desfile de celebridades na apresentação da coleção Cruise da Dior

Desfile de celebridades na apresentação da coleção Cruise da Dior

Pigmentarium: perfumaria de nicho inspirada na herança cultural da República Checa

Pigmentarium: perfumaria de nicho inspirada na herança cultural da República Checa

Em Roma, um apartamento renovado com base em valores atuais

Em Roma, um apartamento renovado com base em valores atuais

Tudo a nu, as vantagens dos materiais naturais

Tudo a nu, as vantagens dos materiais naturais

O elegante vestido midi que Isabela Valadeiro usou para se casar pelo civil com Carlos Ferra

O elegante vestido midi que Isabela Valadeiro usou para se casar pelo civil com Carlos Ferra

Cevisama: novos conceitos para (re)vestir a casa

Cevisama: novos conceitos para (re)vestir a casa

Inspire-se nestas 20 sugestões de pedicure para o verão

Inspire-se nestas 20 sugestões de pedicure para o verão

Vida lá fora: já tem o seu chapéu de sol?

Vida lá fora: já tem o seu chapéu de sol?

8 ideias para usar as calças de ganga tendência deste ano

8 ideias para usar as calças de ganga tendência deste ano

Alexandra deixa Inês em lágrimas após revelação em “Casados à Primeira Vista”

Alexandra deixa Inês em lágrimas após revelação em “Casados à Primeira Vista”

Primeira chamada com áudio espacial 3D traz novas possibilidades para o futuro do 5G

Primeira chamada com áudio espacial 3D traz novas possibilidades para o futuro do 5G

Moda: 20 cestas para usar no dia a dia

Moda: 20 cestas para usar no dia a dia

Inteligência Artificial, realidade aumentada, automação e IoT: estes são os finalistas do 5G Challenge

Inteligência Artificial, realidade aumentada, automação e IoT: estes são os finalistas do 5G Challenge

Andy Lee, autor da coleção 'Não Abras Este Livro' responde a perguntas de fãs portugueses

Andy Lee, autor da coleção 'Não Abras Este Livro' responde a perguntas de fãs portugueses

Os 500 anos de Camões

Os 500 anos de Camões

A VISÃO Se7e desta semana - edição 1632

A VISÃO Se7e desta semana - edição 1632

CMB: o mundo dos vinhos conquistou o México e agora ruma à China

CMB: o mundo dos vinhos conquistou o México e agora ruma à China

Vêm aí novas consolas Xbox Series X|S

Vêm aí novas consolas Xbox Series X|S

Carros elétricos chineses deverão ficar mais caros

Carros elétricos chineses deverão ficar mais caros

Salgueiro Maia, o herói a contragosto

Salgueiro Maia, o herói a contragosto

De Zeca Afonso a Adriano Correia de Oliveira. O papel da música de intervenção na revolução de 1974

De Zeca Afonso a Adriano Correia de Oliveira. O papel da música de intervenção na revolução de 1974

Famosos viajam no tempo através de novo perfume

Famosos viajam no tempo através de novo perfume

Festival A Porta, em Leiria: Uma cidade aberta à música

Festival A Porta, em Leiria: Uma cidade aberta à música

Adoçante comum presente em pastilhas elásticas e até pastas dentífricas associado a duplicação do risco de AVC e enfarte

Adoçante comum presente em pastilhas elásticas e até pastas dentífricas associado a duplicação do risco de AVC e enfarte

Microplásticos encontrados em todas as amostras de testículos humanos analisadas em novo estudo

Microplásticos encontrados em todas as amostras de testículos humanos analisadas em novo estudo

25 peças para receber a primavera em casa

25 peças para receber a primavera em casa

O desabafo emotivo de Mariana após polémica em “Casados à Primeira Vista”

O desabafo emotivo de Mariana após polémica em “Casados à Primeira Vista”

Vídeo: Um encontro com Alice Vieira, a 'contadora de histórias'

Vídeo: Um encontro com Alice Vieira, a 'contadora de histórias'

Requintado jantar assinala inauguração da nova exposição de Joana Vasconcelos na Boutique Dior, em Lisboa

Requintado jantar assinala inauguração da nova exposição de Joana Vasconcelos na Boutique Dior, em Lisboa

Maria João destrói Ricardo após trocarem alianças em “Casados à Primeira Vista”

Maria João destrói Ricardo após trocarem alianças em “Casados à Primeira Vista”

Como ler um jornal

Como ler um jornal

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites