“É quase tão difícil ir à Lua como ao fundo dos oceanos”

Retrato para Oceano de Esperança – Tiago Rebelo

“É quase tão difícil ir à Lua como ao fundo dos oceanos”

Um Lander para ser colocado no fundo do mar profundo e aí permanecer durante largos períodos de tempo. Um AUV, ou veículo autónomo subaquático, com capacidade para explorar grandes extensões, e um ROV híbrido, oferecendo a precisão de um Veículo Remotamente Operado, mas também a possibilidade de funcionar autonomamente. São estes os robôs, a par de uma infraestrutura de suporte, sistemas de comunicação e tratamento de dados, que vão permitir a Portugal explorar e monitorizar o mar sem depender da tecnologia de terceiros. Fator importante quando o nosso país pretende estender o limite da sua plataforma continental para além das 200 milhas marítimas.

A candidatura tem como objetivo alargar essa área para os quatro milhões de quilómetros quadrados, o que daria a Portugal uma dimensão semelhante à da União Europeia. A candidatura ainda aguarda avaliação, mas ao abrigo da Convenção das Nações Unidas que regula o pedido, o Estado deve obrigatoriamente produzir conhecimento sobre esse território.

Estes veículos – e os respetivos sistemas – estão a ser desenvolvidos pela Oceantech, uma plataforma que junta universidades públicas e empresas privadas sob a liderança da Abyssal, uma empresa de engenharia de software com sede em Matosinhos. O projeto foi montado em 2017 pelo CEiiA, Centro de Engenharia e Desenvolvimento, o mesmo que desenvolveu uma das primeiras redes europeias de mobilidade sustentável, que se tornou num parceiro preferencial da Embraer e que assinou um acordo com a Agência Europeia de Segurança Marítima para o desenvolvimento de drones de vigilância.

Mas esta será, provavelmente, “a primeira vez que se junta um consórcio deste género para criar este tipo de produtos”, refere Tiago Rebelo, coordenador do projeto. “Não será uma surpresa se disser que, comparativamente a países como os EUA ou a Noruega, levamos 20 ou 30 anos de atraso. Mas temos grupos universitários, na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto e no Instituto Superior Técnico, que estão ao nível do melhor que se faz em investigação nesta área. Só nunca conseguimos – e é por isso que este projeto aparece – fazer a ligação entre ciência e mundo real. Traduzir essa investigação em valor económico, criar produtos que possam chegar ao mercado.”

“Os desafios são enormes”, explica Tiago, que entrou para o CEiiA há sete anos, depois de ter sido o primeiro português a participar num programa espacial da Erasmus Mundus e que hoje, com 30 anos, lidera toda a área de desenvolvimento de produto e serviços. “Temos perto de 50 engenheiros a trabalhar no projeto”, com um total de cerca de 140 pessoas envolvidas, no conjunto das instituições.

“Tecnicamente, é quase tão difícil ir à Lua como ao fundo dos oceanos. Conseguimos até criar representações em 3D perfeitas da superfície lunar e de Marte, mas continuamos a não ser capazes de fazer o mesmo com os nossos fundos marinhos.”

Após três anos de desenvolvimento, os robôs entraram agora na fase final de desenho e início da produção do protótipo. Seguir-se-ão testes, primeiro em águas pouco profundas e, mais perto do verão, já em mar aberto, com a ajuda dos navios do Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

Temos um oceano de oportunidades pela frente, mas um oceano de desafios também

Tiago Rebelo

“Numa primeira fase, faz sentido colocar estes veículos ao serviço da ciência, da monitorização e do ambiente, mas depois é natural que as empresas do consórcio tenham as suas ambições comerciais. O potencial exportador deste tipo de tecnologia é enorme, mesmo sendo um produto de nicho.”

Antes disso, ainda, é necessário gerar informação para se conseguir perceber que áreas devem ser protegidas e onde será possível gerar valor económico sustentável. “Não podemos definir a totalidade do espaço marítimo como área protegida, mas há que proteger algumas áreas. É isso que os outros países estão a fazer. Foi o que a Noruega fez nos fiordes, por exemplo, e para isso qualquer um destes veículos pode dar um grande contributo. Temos um oceano de oportunidades pela frente, mas um oceano de desafios também.”

Oceano de Esperança é um projeto da VISÃO em parceria com a Rolex, no âmbito da sua iniciativa Perpetual Planet, para dar voz a pessoas e a organizações extraordinárias que trabalham para construir um planeta e um futuro mais sustentáveis. Saiba mais sobre esta missão comum.

Mais na Visão

Mais Notícias

Desporto: 20 artigos para suar com estilo

Desporto: 20 artigos para suar com estilo

Tumo, uma nova experiência educativa nas tecnologias criativas

Tumo, uma nova experiência educativa nas tecnologias criativas

Em

Em "A Sala dos Professores", o realizador Ilker Çatak mostra uma escola da vida real

Desfile de famosos na passadeira dos SAG Awards

Desfile de famosos na passadeira dos SAG Awards

Em “Senhora do Mar”: Rita desmascara Joana em frente a Manuel

Em “Senhora do Mar”: Rita desmascara Joana em frente a Manuel

Como a nossa memória pode enganar-nos e fazer-nos acreditar no que nunca vivemos

Como a nossa memória pode enganar-nos e fazer-nos acreditar no que nunca vivemos

De férias nas Maldivas, Jessica Athayde surpreende Diogo Amaral com pedido de casamento

De férias nas Maldivas, Jessica Athayde surpreende Diogo Amaral com pedido de casamento

Francisco Monteiro e Márcia Soares voltam à TVI e fazem comunicado

Francisco Monteiro e Márcia Soares voltam à TVI e fazem comunicado

A história da imagem que valeu a Nuno Sá o prémio de Fotógrafo de Conservação do Ano em concurso britânico

A história da imagem que valeu a Nuno Sá o prémio de Fotógrafo de Conservação do Ano em concurso britânico

PLAY: Cinco momentos a não perder no Festival de Cinema Infantil e Juvenil

PLAY: Cinco momentos a não perder no Festival de Cinema Infantil e Juvenil

Google acusa Microsoft de práticas monopolistas

Google acusa Microsoft de práticas monopolistas

Vídeo: Fazer filmes para apelar ao voto

Vídeo: Fazer filmes para apelar ao voto

Cartazes à vista!

Cartazes à vista!

As Revoluções Francesas na VISÃO História

As Revoluções Francesas na VISÃO História

O ‘street style’ que nos traz ideias para novos 'looks'

O ‘street style’ que nos traz ideias para novos 'looks'

O Vento Assobiando nas Gruas, entrevista com Jeanne Waltz

O Vento Assobiando nas Gruas, entrevista com Jeanne Waltz

Breve história da maquilhagem

Breve história da maquilhagem

Nasce uma nova mala de luxo durante a Semana da Moda de Milão

Nasce uma nova mala de luxo durante a Semana da Moda de Milão

INEM tem até 15 de março para chegar a acordo com Liga dos Bombeiros

INEM tem até 15 de março para chegar a acordo com Liga dos Bombeiros

Apartamento em Cascais: sobriedade contemporânea

Apartamento em Cascais: sobriedade contemporânea

Em “Senhora do Mar”: Maria perde a virgindade com Pedro

Em “Senhora do Mar”: Maria perde a virgindade com Pedro

Penélope Cruz deslumbra na passadeira dos SAG Awards

Penélope Cruz deslumbra na passadeira dos SAG Awards

Esplanada, comida asiática e preços democráticos no Street Chow

Esplanada, comida asiática e preços democráticos no Street Chow

Citroën ë-C3: O elétrico que custa 23.300 euros chega em junho

Citroën ë-C3: O elétrico que custa 23.300 euros chega em junho

J. L. Barreto Guimarães, Poesia para médicos

J. L. Barreto Guimarães, Poesia para médicos

Venha conhecer o BYD Seal U

Venha conhecer o BYD Seal U

Dos idos de Março 62 às eleições de Março 24

Dos idos de Março 62 às eleições de Março 24

Seis desafios na gestão da inovação em PME

Seis desafios na gestão da inovação em PME

Inspire-se no

Inspire-se no "look" de Meghan Markle

Urso polar: um animal único

Urso polar: um animal único

Corpo encontrado hoje em Lisboa é o de mulher desaparecida em dezembro de hospital

Corpo encontrado hoje em Lisboa é o de mulher desaparecida em dezembro de hospital

Lisboa é a terceira cidade europeia mais inacessível para arrendar casa

Lisboa é a terceira cidade europeia mais inacessível para arrendar casa

769, 265 e 409. Os números esmagadores com que a Nvidia, “a cotada mais influente do mundo”, deu a volta a Wall Street

769, 265 e 409. Os números esmagadores com que a Nvidia, “a cotada mais influente do mundo”, deu a volta a Wall Street

Ave asiática possui habilidades mentais semelhantes às dos seres humanos

Ave asiática possui habilidades mentais semelhantes às dos seres humanos

Medicamento produzido no espaço regressa em segurança para a Terra

Medicamento produzido no espaço regressa em segurança para a Terra

Portugal visto pelos estrangeiros

Portugal visto pelos estrangeiros

Quartos: como atingir o máximo conforto

Quartos: como atingir o máximo conforto

Em dia de aniversário de Martina, Helene Svedin e Luís Figo declaram o seu amor pela filha

Em dia de aniversário de Martina, Helene Svedin e Luís Figo declaram o seu amor pela filha

Saccharum Resort, na terra do ouro branco

Saccharum Resort, na terra do ouro branco

A primavera começa daqui a um mês ou daqui a uma semana?

A primavera começa daqui a um mês ou daqui a uma semana?

“A Madrugada que Eu Esperava”: Novas canções de Abril no Teatro Maria Matos

“A Madrugada que Eu Esperava”: Novas canções de Abril no Teatro Maria Matos

Na estreia de

Na estreia de "Duna: Parte Dois" em Nova Iorque, Zendaya volta a surpreender

Novo Dacia Spring: mais por menos

Novo Dacia Spring: mais por menos

Os 10 melhores vestidos da passadeira vermelha dos SAG

Os 10 melhores vestidos da passadeira vermelha dos SAG

Os lugares desta História, com Isabel Stilwell: Filipe I de Portugal, por fim

Os lugares desta História, com Isabel Stilwell: Filipe I de Portugal, por fim

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites