Na primeira pessoa: “Até aos 46 anos, nunca tinha feito desporto. Passava os dias sentada no escritório e só me deslocava de automóvel”

Foto: Lucília Monteiro

Na primeira pessoa: “Até aos 46 anos, nunca tinha feito desporto. Passava os dias sentada no escritório e só me deslocava de automóvel”

Sou brasileira, 62 anos, mãe de dois, advogada e atleta campeã internacional de culturismo natural. Até aos 46, passava os dias sentada no escritório e só me deslocava de automóvel. Nunca tinha feito desporto. Alimentava-me à base de pão, massa, açúcar e alimentos processados. Bebia uma garrafa de vinho todos os dias. Sentia-me doente.

Concretizando um plano antigo, mudei-me para Portugal há pouco mais de oito meses. Na linda cidade de Espinho, que já amo como lar, dou continuidade ao processo de transformação iniciado há 16 anos, em busca da plenitude física e mental da maneira mais natural possível, sem drogas, sem estimulantes, sem tratamentos estéticos, sem botox, sem implantes, sem cirurgias e sem medicamentos, por norma associados aos músculos do culturismo tradicional.

A história da minha metamorfose para uma vida saudável começa com uma provocação inocente do meu filho. Corria o ano de 2008, era ele adolescente, quando tentei convencê-lo a perder um pouco de barriga. Ao sugerir-lhe alguma atividade física para combater o sedentarismo, ele desafiou-me, certo de que poria um ponto final na conversa. “OK, eu vou ao ginásio, mas com uma condição: você também tem de ir.” Acontece que eu fui.

Enquanto o meu filho não tirava os olhos da televisão durante os 30 minutos obrigatórios na passadeira, eu observava aquela gente tão diferente de mim. Prestava especial atenção a um casal que treinava todos os dias como se a sua vida dependesse de cada movimento, de cada repetição. Absolutamente concentrados, incrivelmente fortes e determinados, os dois fascinaram-me e despertaram a minha curiosidade. Disfarçadamente, seguia-os pela sala e anotava o que faziam usando desenhos e um código que só eu entendia. No dia seguinte, tentava reproduzir os exercícios, incorporando-os no meu plano de treino para iniciantes.

Depressa me tornei autodidata. Passei a estudar tudo o que encontrava sobre técnicas de treino, grupos musculares, ganhos de força e de massa muscular. Com o tempo, aprendi a programar as sessões e a levar os músculos ao limite em cada série. Adotei um diário de treino, que uso até hoje, para registar todas as sequências que executo. Migrei para as barras livres e os halteres mais pesados. Deixei de me sentir uma estranha no ninho. Ao fim de alguns meses, o meu filho desistiu. Eu continuei e tornei-me outra pessoa, um projeto de atleta em evolução.

Sofria de alguns problemas de saúde, que julgava normais para a minha idade: flacidez intensa, alergias, quistos nos ovários, mau dormir, digestão difícil, inchaços, distensão abdominal, dores por todo o corpo, fadiga crónica. A minha dieta era muito pobre. Praticamente não comia proteínas nem vegetais ou fruta. Era pão, macarrão, bolos, biscoitos, pizza, café e, à noitinha, passava ao vinho. Como digo a brincar, uma dieta bíblica, à base de pão e vinho.

Quando comecei a praticar musculação, mantendo estes hábitos alimentares, passei a sentir muitas dores de cabeça. Dediquei-me então a ler sobre nutrição e fisiologia. Primeiro, parei com o álcool e o café, depois cortei açúcar, glúten e farinhas, e por fim adotei uma dieta baixa em hidratos de carbono, sem alimentos processados, com as quantidades de proteína e de calorias necessárias aos meus objetivos no desporto, bem-estar e qualidade de vida.

“Entrei na menopausa sem desconforto”

Já lá vão 16 anos nesta jornada fitness de autoconhecimento e transformação, um mundo que conheci por acaso, cumprindo um dever de mãe. Muita coisa mudou entretanto. Troquei a flacidez generalizada por pele e músculos firmes, entrei na menopausa sem o menor desconforto, curei-me sem remédios nem suplementos de dores na coluna e nas ancas, consequências de uma hérnia discal e do desgaste das cartilagens nos quadris.

Aventurei-me nos palcos do culturismo natural e conquistei prémios internacionais, como a Taça do Mundo de 2013, aos 51 anos, em Los Angeles, na categoria Figure/Bodyfitness, que contempla um físico definido, feminino e sem excessos. Ao contrário do que acontece no culturismo “normal”, aqui todos os atletas são testados antes das competições, porque ninguém pode obter vantagem sobre a concorrência com recurso a substâncias proibidas pelo Comité Olímpico Internacional e pela Agência Mundial Antidoping.

Para mim, os melhores troféus são outros, no entanto. Mais do que os gémeos ou os bíceps, o desporto fortaleceu a minha saúde mental. Adquiri uma atitude otimista perante a vida, sem nunca esperar por facilidades. Como nos treinos, quando as coisas estão demasiado fáceis, aumento a carga, para melhorar e continuar a crescer como pessoa. Ganhei autoestima, resiliência e aprendi a valorizar a iniciativa, essencial para alcançarmos os nossos objetivos.

Sofria de alguns problemas de saúde, que julgava normais para a minha idade. A minha dieta era muito pobre. Praticamente não comia proteínas nem vegetais ou fruta. Era pão, macarrão, bolos, biscoitos, pizza, café e, à noitinha, passava ao vinho. Como digo a brincar, uma dieta bíblica, à base de pão e vinho

A minha memória também melhorou muito, talvez devido à alimentação ou à oxigenação do cérebro. Todos os dias como peixe com azeite, acompanhado de vegetais de baixo teor de amido, por exemplo, curgete e brócolos. Espinho é o lugar ideal para seguir este modo de vida. Neste momento, não consigo imaginar nenhum outro sítio no mundo em que eu gostaria mais de viver que não fosse esta cidade, a rua e o apartamento onde moro.

Não costumo correr, porque não é o ideal para as ancas e tenho de as proteger, mas é fundamental mantermo-nos ativos para evitar as dores, realizando os exercícios corretos e adaptados aos problemas de cada um. No meu caso, prefiro andar de bicicleta e fazer caminhadas, sem compromisso, além de continuar a frequentar o ginásio cinco vezes por semana, aqui, sim, com a mesma disciplina de sempre.

É isto que eu amo fazer. Superar os meus limites a cada treino, bater as próprias marcas, sozinha e em silêncio, na sala de musculação. Não entro em competições desde 2015 e não sei se voltarei a fazê-lo algum dia, ou nunca mais, mas continuo a anotar tudo no meu caderno. O que me entusiasma é esta competição diária comigo mesma, que, tenho a certeza, só irá parar no dia em que tudo o resto parar.

Depoimento recolhido por Rui Antunes

Mais na Visão

Mais Notícias

Salgueiro Maia, o herói a contragosto

Salgueiro Maia, o herói a contragosto

Portugal e a Lei de Restauro da Natureza

Portugal e a Lei de Restauro da Natureza

5 formas de incluir um lenço no seu look

5 formas de incluir um lenço no seu look

Cristina Ferreira já está de férias! Veja aqui o destino escolhido.

Cristina Ferreira já está de férias! Veja aqui o destino escolhido.

Aproveite a vida ao ar livre: piqueniques

Aproveite a vida ao ar livre: piqueniques

Rover Curiosity descobre cristais de enxofre puro em Marte

Rover Curiosity descobre cristais de enxofre puro em Marte

O caminho para o inferno está cheio de paletas de artistas!

O caminho para o inferno está cheio de paletas de artistas!

Família real da Bélgica reunida para celebrar o Dia Nacional do seu país

Família real da Bélgica reunida para celebrar o Dia Nacional do seu país

Alberto e Charlene na etapa da Volta a França no Mónaco

Alberto e Charlene na etapa da Volta a França no Mónaco

25 peças para receber a primavera em casa

25 peças para receber a primavera em casa

Os heróis portugueses que vão às Olimpíadas

Os heróis portugueses que vão às Olimpíadas

10 animais que resistem ao calor

10 animais que resistem ao calor

Sustentabilidade: Este mar que se esgota

Sustentabilidade: Este mar que se esgota

As diferenças entre sexo e género no cérebro das crianças, segundo um novo estudo

As diferenças entre sexo e género no cérebro das crianças, segundo um novo estudo

Rui Cardoso Martins: “Este livro reflete uma grande convicção de que a vida triunfa”

Rui Cardoso Martins: “Este livro reflete uma grande convicção de que a vida triunfa”

Em

Em "A Mulher no Lago", Natalie Portman estreia-se nas séries

Amendoim: Os benefícios inesperados do consumo desta oleaginosa

Amendoim: Os benefícios inesperados do consumo desta oleaginosa

Pigmentarium: perfumaria de nicho inspirada na herança cultural da República Checa

Pigmentarium: perfumaria de nicho inspirada na herança cultural da República Checa

Como usar estas 3 peças que formam o visual de verão deste ano

Como usar estas 3 peças que formam o visual de verão deste ano

De Zeca Afonso a Adriano Correia de Oliveira. O papel da música de intervenção na revolução de 1974

De Zeca Afonso a Adriano Correia de Oliveira. O papel da música de intervenção na revolução de 1974

Letizia, Leonor e Sofia, três

Letizia, Leonor e Sofia, três "looks" bem distintos

Duches de exterior: a única 'chuva' permitida durante o verão

Duches de exterior: a única 'chuva' permitida durante o verão

Reciclagem de embalagens: pode brincar-se com temas sérios?

Reciclagem de embalagens: pode brincar-se com temas sérios?

Conheça os vencedores da 2ª edição do 5G Challenge

Conheça os vencedores da 2ª edição do 5G Challenge

MBA 2.0: Liderança na era digital

MBA 2.0: Liderança na era digital

Recanto para viver ao ar livre

Recanto para viver ao ar livre

Os detalhes e inspirações do vestido de noiva de Isabela Valadeiro

Os detalhes e inspirações do vestido de noiva de Isabela Valadeiro

As férias luxuosas da família de Cristiano Ronaldo na Arábia Saudita

As férias luxuosas da família de Cristiano Ronaldo na Arábia Saudita

VOLT Live: Musk chegou a Portugal de jato privado, mas nós voámos de elétrico

VOLT Live: Musk chegou a Portugal de jato privado, mas nós voámos de elétrico

Pequeno satélite português já está no Espaço

Pequeno satélite português já está no Espaço

CrowdStrike: 8,5 milhões de computadores Windows afetados no apagão

CrowdStrike: 8,5 milhões de computadores Windows afetados no apagão

Elisabete Moutinho conta como descobriu a gravidez do segundo filho:

Elisabete Moutinho conta como descobriu a gravidez do segundo filho: "Não planeámos"

Quando os médicos têm dúvidas

Quando os médicos têm dúvidas

VOLT Live: vem aí um apoio europeu para a compra de veículos elétricos?

VOLT Live: vem aí um apoio europeu para a compra de veículos elétricos?

ChatGPT chega a todos os Peugeot equipados com comandos de voz

ChatGPT chega a todos os Peugeot equipados com comandos de voz

Princesa Charlene do Mónaco, uma apaixonada por

Princesa Charlene do Mónaco, uma apaixonada por "jumpsuits"

Batalha do Vimeiro: Mergulhar na história das invasões francesas na Lourinhã

Batalha do Vimeiro: Mergulhar na história das invasões francesas na Lourinhã

Sebastião da Gama - Carne e espírito na Arrábida

Sebastião da Gama - Carne e espírito na Arrábida

Empreender à grande e à portuguesa

Empreender à grande e à portuguesa

Depois dos Magnum, Unilever diz adeus às pessoas

Depois dos Magnum, Unilever diz adeus às pessoas

Eduardo antes de ser Lourenço

Eduardo antes de ser Lourenço

Cortes de cabelo para quem não quer sacrificar muito comprimento

Cortes de cabelo para quem não quer sacrificar muito comprimento

Vencedores e vencidos do 25 de Abril na VISÃO História

Vencedores e vencidos do 25 de Abril na VISÃO História

De novo num

De novo num "jumpsuit", Charlene do Mónaco revela o seu lado mais sedutor

Guia de essenciais de viagem para a sua pele

Guia de essenciais de viagem para a sua pele

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites