Na primeira pessoa: “A minha doença celíaca limita-me muito mais do que a minha cegueira”

Foto: José Carlos Carvalho

Na primeira pessoa: “A minha doença celíaca limita-me muito mais do que a minha cegueira”

Não tive a sorte de ter uma família que me impulsionasse a cozinhar. Tenho glaucoma congénito, o meu olho direito nasceu sem qualquer funcionalidade, enquanto o esquerdo é muito mirrado. O problema surgiu quando, aos 25 anos, quis ir morar sozinha e só sabia abrir pacotes de batatas fritas, latas de salsichas e de atum, e que a massa se cozia em água.

Para aprender a cozinhar, pesquisava muito em blogues de receitas fáceis. Quando, pela primeira vez, tentei fazer um bolo, não sabia que se tinha de pré-aquecer o forno; então o bolo nunca mais cozinhava!

As pessoas acham que os cegos têm os sentidos mais apurados. Prefiro dizer que os temos mais trabalhados, é diferente. As investigações indicam que 80% da informação captada é visual. Portanto, os cegos, não tendo esses 80%, têm de trabalhar os outros 20% para tentar chegar o mais próximo possível aos 100% necessários.

Mas é verdade que, na culinária, os outros quatro sentidos ajudam muito. Se estiver a cozer batatas, não preciso de ir lá espetar o garfo para saber se estão prontas. O amido da batata na água a ferver gera um cheiro diferente. O som da água a borbulhar no início da fervura, ainda limpa, é diferente do da água a borbulhar quando já tem o amido da batata, ou da massa ou do arroz.

Para saber se algo está cozinhado quando o retiro do forno, o cheiro também é diferente, mas, se for com um garfo e bater um bocadinho, percebo o som da crocância. Outro exemplo: o pão, quando está cozinhado e lhe damos uma pancadinha, tem um som oco, porque o amido lá dentro já cresceu; quando a massa ainda está crua, gera um som baço. Isto vai-se aprendendo com o tempo.

Numa ida às compras, o pior são as embalagens. Existe legislação [lei nº 33/2008, de 22 de julho] a dizer que os hipermercados [área superior a 300 m2] têm de disponibilizar rotulagem em braille a pedido do consumidor. Quando faço as compras online, tenho de lhes dar 48 horas, no mínimo, para fazerem a nova etiquetagem e virem entregar. Estamos sempre dependentes – ou as impressoras estão avariadas ou a única pessoa que sabe fazer as etiquetas está de baixa médica. Há sempre problemas! Também posso ir às compras presencialmente e pedir um assistente para acompanhamento, mas isso implica passar horas e horas entre corredores e prateleiras.

Não gasto dinheiro em roupas e sapatos, mas perco-me com equipamentos de cozinha. Quando as máquinas são manuais, só com botões, não há problema nenhum, pois sei qual é a função de cada um. Mas a Bimby é um problema, porque quem desenvolveu este robô de cozinha não acrescentou uma voz a ler as instruções daquele sistema operativo. Consigo que o meu telemóvel com iOS vá lendo o que aparece no ecrã.

No meu podcast Cozinhar Com o Coração, o episódio a explicar como se usa a Bimby é o mais ouvido. As pessoas cegas estão ávidas de poder ter um robô de cozinha que fale.

A AirFryer é muito simples, é quase como usar o micro-ondas. A única coisa que tenho medo de usar na cozinha é o óleo quente – nem a panela de pressão elétrica, com tranca enquanto tem pressão, me assusta tanto.

“A cegueira não me chateia nada”

Gostava de saber mais sobre como fazer o empratamento e toda a questão estética das receitas, porque eu não vejo, mas à minha volta os outros veem; não estou isolada do mundo. Recebo amigos em minha casa e também tenho gosto em que olhem para o prato e digam que está bonito.

Gosto muito de comer, mas ser celíaca [intolerância hereditária ao glúten] limita-me muito; queria experimentar alguns restaurantes e comidas de outros países, mas não o faço. As outras pessoas não têm noção de quão complicada é esta doença. O glúten enfia-se nos poros da madeira de uma tábua de cozinha onde é cortado um pão ou outro alimento com glúten, por mais que a tábua seja lavada.

O único sítio onde me sinto 100% segura a comer é na minha casa. Sinto que a minha doença celíaca me limita muito mais do que a minha cegueira. Se me dessem a escolher entre as duas, dava já a doença celíaca de bandeja e ficava com a cegueira, que não me chateia nada – não conheço a vida de outra maneira.

Entre os ouvintes do meu podcast, há pessoas que me escrevem a dizer que também não veem e gostavam de fazer as receitas, outras que nunca pensaram que uma pessoa cega cozinhasse e perguntam como é que não me queimo no forno ou não me corto com a faca, e outras, que não sei se são cegas ou não, a dizer que foi graças aos meus episódios que começaram a cozinhar. Quando assim é, cumpri o meu objetivo.

Há muitos jovens que gostavam de ter a própria casa, mas a família não os apoia – dizem que, depois, não vão ser capazes de cuidar de si nem da casa. Muitas vezes, a família é o pior castrador que as pessoas com deficiência, qualquer que seja, têm

Infelizmente, também me escrevem a contar que gostavam de fazer tarefas em casa, de ter mais autonomia, mas que a família não permite. Há muitos jovens que gostavam de ter a própria casa, mas a família não os apoia – dizem que, depois, não vão ser capazes de cuidar de si nem da casa. Muitas vezes, a família é o pior castrador que as pessoas com deficiência, qualquer que seja, têm.

Quando se pergunta a alguém, sem qualquer deficiência, “se tivesse um acidente e ficasse com uma sequela permanente e limitadora, o que é que não queria?”, a maioria responde que a cegueira seria a pior. Mas as pessoas cegas são aquelas que conseguem atingir uma vida o mais parecida possível com a vida das pessoas sem deficiência.

Quem anda numa cadeira de rodas tem imensa dificuldade devido às acessibilidades; as pessoas surdas têm a barreira da língua, da comunicação. Nós conseguimos estudar, ter um emprego, bem ou mal ir aqui e ali, falamos com toda a gente, podemos pedir ajuda. Mas como o mundo é tão visual, as pessoas acham que, se não vissem, seria uma catástrofe, mas não era. Atravessar a rua sem ver pode parecer difícil, mas cortar um bife num prato de bitoque, sem deixar cair as batatas fritas à volta, é muito mais complicado.

Depoimento recolhido por Sónia Calheiros

Mais na Visão

Mais Notícias

Pigmentarium: perfumaria de nicho inspirada na herança cultural da República Checa

Pigmentarium: perfumaria de nicho inspirada na herança cultural da República Checa

Celebrar a Liberdade no imenso palco do Festival Dias da Dança

Celebrar a Liberdade no imenso palco do Festival Dias da Dança

Como ajudar um amigo com cancro?

Como ajudar um amigo com cancro?

Xiaomi Watch S3 em análise: Companheiro de pulso

Xiaomi Watch S3 em análise: Companheiro de pulso

Dânia Neto abre o álbum de casamento:

Dânia Neto abre o álbum de casamento: "Bolha de amor"

Sofia Richie assinala primeiro aniversário de casamento com Elliot Grainge

Sofia Richie assinala primeiro aniversário de casamento com Elliot Grainge

6 ténis de running competentes

6 ténis de running competentes

Quis Saber Quem Sou: Será que

Quis Saber Quem Sou: Será que "ainda somos os mesmos e vivemos como os nossos pais?"

25 de Abril contado em livros

25 de Abril contado em livros

iOS 18 deverá ter novas funcionalidades relacionadas com Inteligência Artificial

iOS 18 deverá ter novas funcionalidades relacionadas com Inteligência Artificial

Tempo de espera para rede de cuidados continuados aumentou em 2022

Tempo de espera para rede de cuidados continuados aumentou em 2022

Quando a cantiga foi uma arma

Quando a cantiga foi uma arma

GNR apreende 42 quilos de meixão em ação de fiscalização rodoviária em Leiria

GNR apreende 42 quilos de meixão em ação de fiscalização rodoviária em Leiria

Ministra não tem limites 'a priori' nas negociações com médicos, enfermeiros e farmacêuticos

Ministra não tem limites 'a priori' nas negociações com médicos, enfermeiros e farmacêuticos

As Revoluções Francesas na VISÃO História

As Revoluções Francesas na VISÃO História

Estivemos no Oeiras Eco-Rally ao volante de dois Peugeot (e vencemos uma etapa)

Estivemos no Oeiras Eco-Rally ao volante de dois Peugeot (e vencemos uma etapa)

Luísa Beirão: “Há dez anos que faço programas de ‘detox’”

Luísa Beirão: “Há dez anos que faço programas de ‘detox’”

Vida ao ar livre: guarda-sol Centra

Vida ao ar livre: guarda-sol Centra

40 empresas portuguesas marcam presença na 62ª edição do Salão do Móvel de Milão

40 empresas portuguesas marcam presença na 62ª edição do Salão do Móvel de Milão

Dânia Neto usou três vestidos no casamento: os segredos e as imagens

Dânia Neto usou três vestidos no casamento: os segredos e as imagens

O que os preços do petróleo dizem sobre o conflito no Médio Oriente?

O que os preços do petróleo dizem sobre o conflito no Médio Oriente?

Vencedores do passatempo ‘A Grande Viagem 2: Entrega Especial’

Vencedores do passatempo ‘A Grande Viagem 2: Entrega Especial’

Bougain: Um ano a reavivar a História em Cascais

Bougain: Um ano a reavivar a História em Cascais

Georgina e Cristiano Ronaldo apaixonados na praia

Georgina e Cristiano Ronaldo apaixonados na praia

Daniela explica porque não tem sexo com David no “Big Brother”

Daniela explica porque não tem sexo com David no “Big Brother”

Montenegro diz que

Montenegro diz que "foi claríssimo" sobre descida do IRS

Regantes de Campilhas querem reforçar abastecimento de água e modernizar bloco de rega

Regantes de Campilhas querem reforçar abastecimento de água e modernizar bloco de rega

DS E-Tense Performance: Serão assim os superdesportivos do futuro?

DS E-Tense Performance: Serão assim os superdesportivos do futuro?

25 de Abril, 50 anos

25 de Abril, 50 anos

Semana em destaque: Musk volta a gritar

Semana em destaque: Musk volta a gritar "Carro autónomo", mas poucos acreditam

Rir é com ela!

Rir é com ela!

Lisboa através dos tempos na VISÃO História

Lisboa através dos tempos na VISÃO História

Sofia Manuel, a cuidadora de plantas

Sofia Manuel, a cuidadora de plantas

Catarina Gouveia junta amigas na Comporta para evento especial

Catarina Gouveia junta amigas na Comporta para evento especial

Famosos brilham na reabertura de loja de luxo em Cascais

Famosos brilham na reabertura de loja de luxo em Cascais

Supremo rejeita recurso da Ordem dos Enfermeiros para tentar levar juíza a julgamento

Supremo rejeita recurso da Ordem dos Enfermeiros para tentar levar juíza a julgamento

Exame Informática TV nº 859: Veja dois portáteis 'loucos' e dois carros elétricos em ação

Exame Informática TV nº 859: Veja dois portáteis 'loucos' e dois carros elétricos em ação

VOLT Live: Atlante, o operador que quer ter a maior rede de carregamento rápido e ultrarrápido

VOLT Live: Atlante, o operador que quer ter a maior rede de carregamento rápido e ultrarrápido

"O Rapto": O Papa, rei e raptor, numa interpretação fabulosa de Paolo Pierobon

Rita Patrocínio revela

Rita Patrocínio revela "onde gostava de um dia viver"

25 peças para receber a primavera em casa

25 peças para receber a primavera em casa

JL 1396

JL 1396

"The Jinx-Parte 2": Novos enigmas no regresso da série documental

Truques para estimular a produção natural de colagénio

Truques para estimular a produção natural de colagénio

Fed e BCE em direções opostas?

Fed e BCE em direções opostas?

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites