Na primeira pessoa: “Sou atleta de alta competição e tenho artrite reumatoide. Não quero que a doença ponha fim à minha carreira”

Na primeira pessoa: “Sou atleta de alta competição e tenho artrite reumatoide. Não quero que a doença ponha fim à minha carreira”

Comecei a praticar ginástica aos 9 anos. Sou federada em ginástica de trampolins e treino-me, desde sempre, no Grupo Sportivo de Carcavelos, o que me tem permitido participar em provas nacionais e mundiais e conhecer o mundo. Perdi a conta às medalhas que ganhei, fui campeã nacional por duas ocasiões, em trampolim, e umas quantas vezes em duplo trampolim. Ganhei uma vez o campeonato do mundo por idades, em sincronizado [com par], e tenho várias medalhas do europeu, por equipas.

Entrei no curso de Fisioterapia, em 2016, na Escola Superior de Alcoitão, e no terceiro ano da faculdade comecei a ter vários sintomas estranhos. Doía-me muito o pescoço, mas atribuía isso ao facto de estar a aprender um salto novo e de cair muitas vezes. Comecei a estranhar quando acordava de manhã já com dores, não conseguia virar a cabeça para os lados e também tinha rigidez nas mãos. O inchaço e a dor nas mãos não me permitiam fazer coisas básicas, como cortar o queijo, o pão ou vestir umas calças mais justas.

Como estava a treinar-me para participar no Campeonato do Mundo em Trampolim, na Rússia, a acontecer em novembro de 2018, procurei o médico da federação, que me medicou com anti-inflamatórios e relaxantes musculares. Nessa competição, se não me medicasse, não conseguia saltar. Confesso que tenho poucas memórias da prova em si. Ficámos em segundo e ganhámos uma medalha. No dia seguinte, acordei sem me mexer e com muitas dores.

De regresso a Portugal, decidi parar de me treinar e procurar ajuda. Tinha estado a fazer fisioterapia, mas sem resultado. Foi então que procurei um ortopedista, que me referenciou para uma consulta de reumatologia. Fui submetida a vários exames, e o diagnóstico chegou a 3 de janeiro de 2019: artrite reumatoide.

Para mim, a artrite era uma doença de pessoas mais velhas, mas não podia estar mais enganada. O médico explicou-me tudo sobre esta doença inflamatória autoimune, e a minha maior dúvida era como conseguiria continuar a praticar e a saltar. “Isso é que vai ser mais difícil”, disse. Sugeriu que a doença deveria estabilizar, o que demorou, porque eu tinha uma artrite de difícil controlo. Demorámos algum tempo até encontrarmos o tratamento mais adequado, pois, além das dores que sentia, estava anémica, muito cansada e com uma enorme incapacidade funcional. E tinha um curso para terminar…

“Estava deprimida e revoltada”

A artrite reumatoide mudou completamente a minha vida e a maneira como passei a ver o futuro. Obrigou-me a mudar os objetivos e a questionar todas as opções até ali. Não sabia como iria conseguir trabalhar na área em que me formei e como continuaria a treinar-me. Estava em negação, muito triste, deprimida, revoltada e mal-humorada.

O diagnóstico coincidiu com o início do namoro com o Bernardo, que foi um apoio essencial numa fase em que me sentia insuportável. Mas como poderia não estar? Imaginem-se a acordar com dores, a passar o dia com dores e a deitarem-se com dores. Precisava de tempo para me reencontrar. Continuo nesse caminho.

Voltei a treinar-me em 2019, para participar num campeonato distrital com o intuito de “me despedir”, mas acabei por continuar a saltar, sem quaisquer expectativas, e fui apurada para o Mundial de seniores, no Japão, em Tóquio. Voltei a parar, supostamente de vez, quando regressei a Portugal. Tinha muitas dores e era muito duro.

Terminei a licenciatura em 2020, trabalhei numa clínica e também fazia sessões ao domicílio. A vida tomou outro rumo. Em 2021, comecei um mestrado em Fisioterapia e Condições Musculoesqueléticas, que conto terminar neste ano, com o objetivo de me especializar em doenças reumáticas.

Certo dia, na pandemia, estava a acompanhar um campeonato europeu e ponderei regressar à ginástica. Mandei uma mensagem ao meu treinador de sempre – Hélder Andrade – a informar que voltaria a competir, mas mediante as minhas regras. Tinha alguma dificuldade em fazer alguns saltos, e, além da parte física, era muito exigente ao nível psicológico. O treinador concordou e, claro, a vida voltou a surpreender-me. Hoje já executo saltos que demorei seis anos sem os conseguir fazer.

Quando eu sentir que já chega, que fiz o que tinha a fazer no que respeita à ginástica de trampolins e que é o momento de passar para outra fase da minha vida, decidirei sair. Agora, acabar a carreira de ginasta lá porque uma doença me impõe tal decisão não é algo que me faça sentido. Participei numa taça do mundo, em julho de 2021, e continuo a treinar-me até hoje.

Tomo medicação diária. Durante a semana, são sete fármacos e, todas as sextas-feiras, chego aos 15 comprimidos. No total, são cerca de €100 por mês em medicação. Só dois fármacos é que são comparticipados a 100%.

Não sei se já aceitei a doença, mas escolhi procurar outros caminhos. Apesar dos dias menos bons, o facto de me envolver em associações de doentes – como a Liga Portuguesa contra as Doenças Reumáticas – permitiu-me procurar novas oportunidades e conhecer outras pessoas na mesma situação.

Criei há uns meses a página de Instagram @brigadadoreumatico, porque senti a necessidade de abordar várias doenças reumáticas segundo a evidência científica mais recente, para fisioterapeutas e pessoas com doença. Gostaria de passar a ideia de que a fisioterapia é uma opção segura, mas é importante escolher profissionais que saibam o que estão a fazer. Recebo mensagens com questões e estou sempre disponível para ajudar.

Atualmente, treino cinco a seis vezes por semana, durante duas horas e meia, e faço caminhadas, corrida ou ginásio, quando tenho tempo. No futuro, além de voltar a trabalhar em fisioterapia, gostava de dar aulas na faculdade e de dedicar-me à área das doenças reumáticas. Fazer a diferença!

Estou a poucos dias de entregar a minha tese de mestrado e, entre 6 e 13 de novembro, vou estar em Inglaterra para participar num Campeonato do Mundo, com competição individual e sincronizada com a Catarina, o meu par. A doença está estável, e eu tenho aprendido a viver com ela.

Depoimento recolhido por Cláudia Pinto

Mais na Visão

Mais Notícias

ChatGPT chega a todos os Peugeot equipados com comandos de voz

ChatGPT chega a todos os Peugeot equipados com comandos de voz

Giorgio Armani celebra o seu 90.º aniversário

Giorgio Armani celebra o seu 90.º aniversário

Verão em movimento: o charme da decoração

Verão em movimento: o charme da decoração

Empreender à grande e à portuguesa

Empreender à grande e à portuguesa

O vestido preto com que Letizia nunca se compromete

O vestido preto com que Letizia nunca se compromete

Solidão a longo prazo aumenta o risco de AVC, demonstra novo estudo

Solidão a longo prazo aumenta o risco de AVC, demonstra novo estudo

Oppo Reno12 Pro: Inteligência quase no ponto

Oppo Reno12 Pro: Inteligência quase no ponto

De Zeca Afonso a Adriano Correia de Oliveira. O papel da música de intervenção na revolução de 1974

De Zeca Afonso a Adriano Correia de Oliveira. O papel da música de intervenção na revolução de 1974

Emma Corrin já está a usar a grande tendência de calçado deste outono

Emma Corrin já está a usar a grande tendência de calçado deste outono

Como as alterações climáticas estão a mexer com o tempo (mas não com o tempo em que está a pensar)

Como as alterações climáticas estão a mexer com o tempo (mas não com o tempo em que está a pensar)

Dyson OnTrac combinam cancelamento de ruído avançado e conforto

Dyson OnTrac combinam cancelamento de ruído avançado e conforto

Zunder, a aplicação para carregar o carro por toda a Europa, chega a Portugal

Zunder, a aplicação para carregar o carro por toda a Europa, chega a Portugal

5 acessórios que estão em alta este verão

5 acessórios que estão em alta este verão

As subidas dos preços das casas explicadas em cinco gráficos

As subidas dos preços das casas explicadas em cinco gráficos

Guia de essenciais de viagem para a sua pele

Guia de essenciais de viagem para a sua pele

“Casados à Primeira Vista” - Flávio Teixeira faz cirurgia e agradece aos profissionais de saúde: “São incríveis”

“Casados à Primeira Vista” - Flávio Teixeira faz cirurgia e agradece aos profissionais de saúde: “São incríveis”

O essencial sobre a niacinamida

O essencial sobre a niacinamida

As férias paradisíacas de Fernanda Serrano na Sardenha, em Itália

As férias paradisíacas de Fernanda Serrano na Sardenha, em Itália

XIV Congresso dos Lusitanistas - lugar de entendimento, agregação e diversidade

XIV Congresso dos Lusitanistas - lugar de entendimento, agregação e diversidade

Pigmentarium: perfumaria de nicho inspirada na herança cultural da República Checa

Pigmentarium: perfumaria de nicho inspirada na herança cultural da República Checa

Quem tinha mais poderes antes do 25 de Abril: o Presidente da República ou o Presidente do Conselho?

Quem tinha mais poderes antes do 25 de Abril: o Presidente da República ou o Presidente do Conselho?

VISÃO Júnior de junho de 2024

VISÃO Júnior de junho de 2024

Tecnologia: A união faz a transição

Tecnologia: A união faz a transição

Nuno Eiró celebra 50.º aniversário com grande festa e vários famosos

Nuno Eiró celebra 50.º aniversário com grande festa e vários famosos

O visual roqueiro de Vanessa Oliveira no NOS Alive

O visual roqueiro de Vanessa Oliveira no NOS Alive

A festa de arromba de Mariana de “Casados à Primeira Vista” com Élson

A festa de arromba de Mariana de “Casados à Primeira Vista” com Élson

Os alfaiates de violinos

Os alfaiates de violinos

Fanny Rodrigues e o namorado Jorge Frade de férias juntos

Fanny Rodrigues e o namorado Jorge Frade de férias juntos

Depois dos Magnum, Unilever diz adeus às pessoas

Depois dos Magnum, Unilever diz adeus às pessoas

InnSide by Meliá Braga Centro: Um hotel descontraído e perto de tudo

InnSide by Meliá Braga Centro: Um hotel descontraído e perto de tudo

Férias com a Covid-19 na bagagem: As ondas, os picos e o que aí vem

Férias com a Covid-19 na bagagem: As ondas, os picos e o que aí vem

Eduardo antes de ser Lourenço

Eduardo antes de ser Lourenço

Festival Super Bock Super Rock: Um veterano renovado

Festival Super Bock Super Rock: Um veterano renovado

Ideias para decorar com riscas

Ideias para decorar com riscas

Quem disse que na casa de banho o papel de parede não entra?

Quem disse que na casa de banho o papel de parede não entra?

VOLT Live: Musk chegou a Portugal de jato privado, mas nós voámos de elétrico

VOLT Live: Musk chegou a Portugal de jato privado, mas nós voámos de elétrico

Salgueiro Maia, o herói a contragosto

Salgueiro Maia, o herói a contragosto

Medicamentos com semaglutido, como o Ozempic, que se popularizou para a perda de peso, associados a novo efeito secundário grave

Medicamentos com semaglutido, como o Ozempic, que se popularizou para a perda de peso, associados a novo efeito secundário grave

Renovar os votos na Cevicheria, uma década depois

Renovar os votos na Cevicheria, uma década depois

Fausto - O último dos puros

Fausto - O último dos puros

Quis Saber Quem Sou: Será que

Quis Saber Quem Sou: Será que "ainda somos os mesmos e vivemos como os nossos pais?"

Acompanhada pelos pais, princesa Leonor assiste a cerimónia na Escola Naval, a sua futura

Acompanhada pelos pais, princesa Leonor assiste a cerimónia na Escola Naval, a sua futura "casa"

Tribunal chumbou providência cautelar da Câmara de Montalegre que tentava travar mina de lítio

Tribunal chumbou providência cautelar da Câmara de Montalegre que tentava travar mina de lítio

Os heróis portugueses que vão às Olimpíadas

Os heróis portugueses que vão às Olimpíadas

Abrir a porta à Europa e ao Mundo. Como Portugal se tornou num hub de interconexão de dados

Abrir a porta à Europa e ao Mundo. Como Portugal se tornou num hub de interconexão de dados

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites